15 April 2014

Opinião: Nunca Seduzas um Escocês

Nunca Seduzas um Escocês by Maya Banks
Editora: Saída de Emergência (2014)
Formato: Capa mole | 336 páginas
Géneros: Romance histórico
Descrição (GR): "Eveline Armstrong é amada e protegida ferozmente pelo seu poderoso clã, mas é considerada "demente" por quem não pertence ao seu meio. Bonita, sobrenatural, com um olhar intenso, ela nunca falou. Ninguém, nem mesmo a sua família, sabe que ela não ouve. Eveline aprendeu sozinha a ler lábios e, feliz por viver com a sua família, nunca se importou que o mundo a visse como louca. Contudo, quando um casamento arranjado com um clã rival torna Graeme Montgomery seu marido, ela aceita cumprir o seu dever - sem estar preparada para os prazeres que se avizinhavam. Graeme é um guerreiro robusto com uma voz tão grave e poderosa que ela consegue ouvi-la, e umas mãos e beijos tão ternos e habilidosos que despertam as paixões mais profundas em Eveline. Graeme está intrigado com a sua noiva, cujos lábios silenciosos são como um fruto maduro de tentação e cujos olhos vivos e sagazes conseguem ver a sua alma. Assim que a intimidade entre ambos se aprofunda, ele descobre o segredo dela. E quando a rivalidade entre clãs ameaça a mulher que ele começara a apreciar, o guerreiro escocês moverá céu e terra para a salvar. Eveline despertou o seu coração para a melodia encantadora de um amor raro e mágico."
Maya Banks é um nome que aparece uma e outra vez nas capas de livros e parece estar bastante em voga em Portugal. Por isso, quando soube que a SdE ia publicar este livro em particular (que já queria ler há algum tempo), decidi, claro, adquiri-lo. Além disso, ainda não li assim muitos romances na época medieval (?) por isso porque não?

Esta foi uma leitura fofinha, lamechas e muito cativante.

Os Montgomery e os Armstrong, dois clãs rivais das Terras Altas, são inimigos ferozes (os motivos não são claramente explicados, pelo menos no primeiro livro). Por isso, o rei da Escócia decide que estes dois clãs devem unir-se através do matrimónio e decide juntar Graeme Montgomery (o Laird) com a filha dos Armstrong, Eveline. O problema é que Eveline é, segundo os rumores, louca e Graeme não quer passar a vida amarrado a uma mulher incapaz de lhe dar herdeiros. Por isso é com muita raiva que os dois clãs se veem obrigados a efetuar a união.

Mas nem tudo é o que parece. Eveline, longe de ser louca, é apenas surda, resultado de um acidente de cavalo que teve três anos antes. E Graeme vai descobrir que uma Armstrong pode não ser assim tão má como isso.

Este livro tem um enredo bastante formulaico: inimigos ferozes são obrigados por uma força externa a juntarem-se. Neste caso Graeme e Eveline têm de se casar. E como eu adoro casamentos arranjados (enquanto tema para romance histórico), pensei que este livro fosse mesmo a minha onda (que foi).

Por isso apesar do enredo previsível e das personagens estereotipadas, Nunca Seduzas um Escocês foi um livro que li depressa e com gosto. Não há grande coisa a dizer, porque este livro não se destaca por aí além dentro do género, mas posso dizer que é, sem dúvida, uma leitura compulsiva, com personagens carismáticas e um ritmo cativante. Recomendado para os amantes do género... afinal, quem consegue resistir a um escocês?

14 April 2014

It's Monday! What are you reading?


Mais uma segunda-feira. É um dia chato e tal, mas pelo menos temos a rubrica It's Monday! What are you reading? Esta semana estou a ler uma novidade da Saída de Emergência: Nunca Seduzas um Escocês de Maya Banks. Sempre tive curiosidade em ler esta autora e até agora estou a gostar bastante da história. A capa, no entanto, é outro assunto. Que abuso do Photoshop! Ele é um homem gigante com olhos verde-venenoso, ele é sombras, ele é paisagem escocesas... O-o Enfim.



Quanto a posts, tivemos opiniões e outras. Concluí a maravilhosa série de Robin Hobb (que infelizmente foi "descontinuada" em Portugal... a autora, não a série), "iniciei-me" na literatura erótica (no pun intended, suas mentes pecaminosas) e li mais um aguardado "pré-bestseller" (o que, obviamente, não correu nada bem).
Rubrica da autoria de The Book Journey.

13 April 2014

Opinião: Half Bad - Entre o Bem e o Mal

Half Bad by Sally Green
Editora: Editorial Presença (2014)
Formato: Capa mole | 320 páginas
Géneros: Fantasia Urbana, Lit. Juvenil/YA
Descrição: "Uma estreia literária surpreendente, plena de magia. Um livro que é um fenómeno internacional.
Na Inglaterra dos nossos dias, bruxos e humanos vivem aparentemente integrados. Na realidade, os bruxos têm a sua própria sociedade secreta, as suas regras e a sua guerra, que divide os Bruxos Brancos, considerados «bons», e os Bruxos Negros, odiados e perseguidos pelos Brancos. O herói, Nathan, é filho de uma Bruxa Branca e de um Bruxo Negro e, portanto, considerado perigoso. Nathan é constantemente vigiado pelo Conselho dos Bruxos Brancos desde que nasceu e aos 16 anos é encarcerado e treinado para matar. Mas Nathan sabe que tem de fugir antes de completar 17 anos e a sua determinação é inabalável.
Half Bad é o romance de estreia de Sally Green e o primeiro volume de uma nova trilogia do género fantástico aguardado por todo o mundo com grande expectativa."
(A edição lida está em inglês mas apresentam-se os dados da portuguesa)

Half Bad... "Entre o Bem e o Mal" ou, como eu lhe chamo, "O clone do Harry Potter sem qualquer tipo de desenvolvimento e genérico como tudo", é mais um daqueles livros super, hiper, mega antecipados, que até saiu aqui no mesmo dia em que saiu em inglês e tudo o mais. Basicamente é um daqueles livros com a incrível máquina publicitária de uma grande editora e eu sou a idiota que comprou uma cópia na esperança de que se destacasse realmente, que fosse realmente original e interessante e diferente. Já mencionei original?

Pois, bem, se não gostam de tiradas irritadas, não leiam o resto. Eu estou um bocado irritada com este livro.

Primeiro, os pontos positivos: a escrita é razoavelmente boa. Falta-lhe sentimento, as frases são demasiado curtas mas é competente e prende o leitor. O protagonista não é demasiado irritante. E... é isto.

O protagonista chama-se Nathan e é um bruxo. Ele é filho de um Bruxo Negro e de uma Bruxa Branca e isso faz com que seja olhado com desconfiança pelos Bruxos Brancos (ser Bruxo Negro é, aparentemente, ilegal ou algo do género). Basicamente o Nathan é um maltratado por toda a gente porque tipo, ele é totalmente filho de um Bruxo Negro (atenção isto parece ser uma coisa genética). E?, perguntam vocês. Não faço ideia, respondo eu. Aparentemente é muito mau ser um Bruxo Negro, mas não se sabe bem porquê. Especialmente porque, como disse, parece ser uma coisa de nascença.

Então temos o protagonista super especial que é maltratado (woe). Temos bruxos. Já começam a ver as semelhanças? Eu faço uma lista:
1. Bruxos/Feiticeiros
2. Protagonista especial devido a circunstâncias relacionadas com nascimento/infância
2.5. Protagonista é parente/está relacionado com o vilão mais temido da história
3. Instâncias de bullying, incluindo por um membro da família
4. Os bruxos têm uma designação para as pessoas sem poderes (Não estou a gozar)
5. Bruxos "Negros" são olhados com desconfiança
6. Pureza do sangue tem valor
7. Há um órgão governativo para os Bruxos (o Conselho).
8. Há uma elite de Bruxos que caçam Bruxos Negros.
9. É preciso mais?

Como se isto não bastasse, a autora prescindiu completamente do seu mundo. Quem é que precisa de construir fundações, explicar conceitos ou até fazer com que as personagens usem magia, quando se pode simplesmente lançar o leitor no meio da confusão e esperar que se amanhem? Enfim.

As personagens são numerosas, nada memoráveis e nem com o protagonista consegui criar uma ligação. Dava ideia que a autora estava a tentar que tivéssemos ou pena dele ou que o achássemos rebelde, mas, epá, dizer asneiras não é propriamente rebeldia. :P

O livro tem umas 370 páginas mas muito pouco enredo. Os acontecimentos são vagos, meros esboços, a autora não conseguiu tornar nenhuma cena (ou personagem) digna de nota. O que temos em grande quantidade são cenas mais ou menos violentas, que me parecem estar lá mais para o shock value do que para outra coisa.

Quanto a magia... muito pouca. O sistema quase não é explicado e há muitas coisas que são confusas.

No geral, um livro que sinceramente, não me cativou. Tanto a história, como as personagens e o mundo têm pouco brilho e estão mal desenvolvidos. É como se este livro fosse apenas um molde onde se podem fazer livros sobrenaturais juvenis de sucesso.

11 April 2014

Opinião: Nove semanas e meia

Nove semanas e meia by Elizabeth McNeill
Editora: Quinta Essência (2014)
Formato: Capa mole | 150 páginas
Géneros: Romance contemporâneo, Lit. erótica
Descrição: "Quebraram todas as regras
Esta é uma história de amor tão pouco frequente, tão apaixonada, tão extrema e tão real que o leitor não pode deixar de seguir, fascinado, o seu desenvolvimento ritual. Duas pessoas cultas, civilizadas e independentes conhecem-se um dia por acaso numa rua de Nova Iorque, um domingo de maio nos anos setenta, e iniciam uma relação que em breve se tornará uma experiência sadomasoquista de rara intensidade. Desde o início, estabelecem espontaneamente entre eles estímulos sexuais que obedecem a um ritual instintivo de dominação e humilhação, ritual que é aceite primeiro com surpresa e depois com prazer genuíno, pela autora desta história chocante. Naturalmente, à medida que a relação progride, o casal embarca em jogos cada vez mais elaborados e sofisticados que, após nove semanas e meia, conduzem a mulher a uma absoluta falta de controlo do seu corpo e mente.
A verdadeira história de submissão sexual que inspirou o filme de culto: uma história perturbadora e fascinante, uma obra-prima da literatura erótica, que irá prendê-lo até à última página."
Sinceramente nem vou dar uma classificação a este livro. Porque não consigo, porque é demasiado perturbador, tão perturbador que ainda agora acabei de o ler e sinto que tenho de o expurgar de alguma forma da minha mente.

Quem nunca ouviu falar do filme Nove Semanas e meia? Bem, suponho que muita gente, mas tendo crescido nos anos 90 ouvi falar dele se bem que nunca o cheguei a ver. No entanto conheço-o como um filme erótico de alguma notoriedade. Por isso, quando vi esta nova edição na livraria e como me sinto algo curiosa com este fenómeno da literatura erótica, decidi comprá-lo e começar por aqui as minhas leituras dentro do género.

Não sei se fiz bem ou se fiz mal. É verdade que não tenho grande repertório relativamente a literatura erótica mas duvido que isto possa ser considerado um livro erótico per se. Oh, sim há sexo. E sexo sadomasoquista definitivamente. Mas creio que o livro se foca mais na componente emocional, uma vez que, tal como a heroína de "Cinquenta Sombras de Grey", também a protagonista deste livro (da qual nunca sabemos o nome) entrou quase que "por acidente" num mundo sobre o qual sabia muito pouco. Eu confesso que também sei muito pouco sobre SM mas sempre pensei que era algo que duas pessoas faziam com um conhecimento antecipado daquilo em que se iam meter, devido a um gosto por esse tipo de práticas sexuais, para além de, claro, terem uma boa dose de confiança um no outro. A protagonista deixa-se arrastar pela excitação e pela liberdade que lhe dá a submissão e acaba, penso eu, por se perder a si própria e a sua identidade. A sua experiência é ao mesmo tempo libertadora e aterradora até que acaba por a destruir.

O protagonista é um Mr. Grey dos anos 70; charmoso, rico, manipulador e acostumado a ter tudo o que quer. Ele vai "treinar" a protagonista para que ela seja aquilo que ele quer, sempre que ele quer. Quando ela quebra ele deita-a fora, descarta-a. Foi uma das coisas mais perturbadoras que já li... O amor enquanto força destrutiva. A autora não tenta disfarçar o carácter do protagonista: ele pode ser charmoso mas é também violento e manipulador e isso vê-se claramente. Não há embelezamentos de personalidade.

Para mim o que se destaca neste livro é a profundidade das mudanças operadas na protagonista. Como ela acaba por se perder, viver apenas para o protagonista (do qual também nunca sabemos o nome), ficar presa naquilo que pensava ser uma espécie de liberdade. Como os jogos sexuais e a submissão acabaram por tomar conta de toda a sua vida, se tornaram uma obsessão.
E como esta liberdade fictícia a arruinou no fim. O sexo podia ser bom, mas tinha consequências. É por isso que todas as fangirls do Mr. Grey deviam ler este livro... Porque é assim que acaba a história. Não em romance mas em terror.

No geral... indescritível.

10 April 2014

Opinião: A Demanda do Visionário

A Demanda do Visionário by Robin Hobb
Editora: Saída de Emergência (2010)
Formato: Capa mole | 476 páginas
Géneros: Fantasia
Descrição: "O verdadeiro rei dos Seis Ducados desapareceu numa missão misteriosa em busca dos Antigos para salvar o reino da ameaça dos Navios Vermelhos. O seu irmão usurpador está determinado a impor uma tirania cruel e não abrirá mão do poder, a não ser com a própria morte.
Fitz sabe que a única forma de por fim ao reinado do príncipe usurpador é iniciar uma demanda em direção ao reino das Montanhas onde irá descobrir a verdade sobre as profecias do Bobo. Mas a sua missão enfrenta um novo perigo com a magia do Talento a precipitar a sua alma para a beira do abismo.
Conseguirá resistir à magia e ainda enfrentar os obstáculos que surgem à sua demanda?"
Aviso: SPOILERS
E acabou. A espetacular e épica saga de Fitz, o bastardo de Cavalaria e o assassino do Rei terminou. E terminou em grande (de certa forma), mas também de forma desapontante (nalguns aspetos).

Vamos dividir isto por partes.

O que gostei
1. A Demanda: sendo uma continuação direta do livro anterior, A Vingança do Assassino, este último volume continua a focar-se na longa viagem de Fitz, Panela e seus companheiros para terras há muito não exploradas. Aí, encontram maravilhas da magia e do mito.

Esta parte agradou-me. Ok, as intrigas ficaram nos livros anteriores e este, tal como já tinham ficado no volume anterior, tem mais a estrutura de um livro fantástico tradicional, com uma viagem de um grupo de guerreiros e pessoas corajosas que andam em busca de algo, mas gostei de obter finalmente respostas para tantas das perguntas que se levantaram durante a leitura: Quem são os Antigos? Porque é que os Navios Vermelhos atacaram os Seis Ducados? E qual é a relação disto com a Manha.

A autora presenteou-nos com terras de encantar, com postes mágicos, estradas mágicas, tudo mágico e tão estranho que quase atirei o livro à parede de frustração pelo facto de os nossos heróis não ficarem ali, a explorar, a tentar saber mais sobre o declínio daqueles povos que aparentemente viviam de magia.

2. As personagens: sempre as personagens. A amizade entre o Bobo e Fitz foi bastante bem explorada neste volume o que me agradou pois embora ambos sejam os protagonistas, não tinha ainda vislumbrado uma verdadeira ligação entre eles. Panela, cujos segredos são bastante óbvios quase desde o início, foi mesmo assim uma personagem interessante. E claro, Kettricken, uma heroína subtil mas que está lá, um apoio corajoso e um verdadeiro Sacrifício.

Já não gostei tanto foi de Veracidade. Pareceu-me apagado neste livro. E Fitz conseguiu ser um bocado burrito. Olhos-de-Noite continua a merecer menção como a personagem mais sábia e fofa dos livros.

3. O Desfecho: foi satisfatório. Não ficaram pontas por atar relativamente a esta história em particular.

4. A Magia: a Manha foi algo muito bem pensado. Assim como o Talento, porque não se trata apenas de controlo mental é algo mais subtil, mais lato, algo de que se podem construir estradas.

O que poderia ter sido melhor
1. Os Vilões: porque ofereceram pouca luta e mesmo com justificações para as suas ações pareceram-me simplistas.

Os Navios Vermelhos, a cultura de vingança dos Ilhéus e a forma como os Forjados são "feitos" foi uma das maiores desilusões que tive na série. A autora dá uma explicação apressada sobre estes elementos, mas os Ilhéus mereciam mais. A magia do forjamento merecia mais.

2. A Magia: se foi uma das coisas de que gostei, também foi uma das coisas que me frustrou. Tanto por explicar! O que é, na realidade, o Talento? Tem de ser mais do que controlo da mente, porque a autora assim o diz, mas não nos explica como.

Quem criou os dragões? Foram os Antigos? Os Deuses? São os dragões os Antigos ou não?

3. O Desfecho: Algo apressado. Passou-se pouco tempo a explorar a origem ou natureza dos dragões. Os vilões foram destruídos de forma demasiado sumária. E Robin Hobb, desenvolva o seu mundo! Eu tenho de saber mais sobre os aspetos descritos acima: sobre as motivações dos Ilhéus, sobre a magia do Talento e da Manha e como tudo isso está relacionado com os Antigos!

No fundo foi este o aspeto que mais me desiludiu na saga. A autora foca-se tanto no enredo específico, na personagens de Fitz e do Bobo que apenas refere os elementos do seu mundo quando se relacionam com eles. E assim fica tanta coisa por explicar.

No geral, fiquei um pouco desiludida em algumas partes mas mesmo assim achei este livro fantástico! Esta é sem dúvida uma saga de leitura compulsiva, com um mundo interessante e personagens com todos os traços dos típicos heróis épicos mas também com os defeitos e as fragilidades humanas. Sem dúvida que lerei mais desta autora.

09 April 2014

Novidades da Saída de Emergência para abril


A Saída de Emergência tem algumas novidades apetecíveis para abril, que vão desde a chick lit ao romance histórico inserido na sua nova coleção "A História de Portugal em Romances".




Editora: Saída de Emergência
Data de lançamento: 11/04/2014
Descrição: Conheça uma mulher extraordinária, cujo dom raro ensina um rude guerreiro escocês a ouvir com o coração.
Eveline Armstrong é amada e protegida ferozmente pelo seu poderoso clã, mas é considerada “demente” por quem não pertence ao seu meio. Bonita, sobrenatural, com um olhar intenso, ela nunca falou. Ninguém, nem mesmo a sua família, sabe que ela não ouve. Eveline aprendeu sozinha a ler lábios e, feliz por viver com a sua família, nunca se importou que o mundo a visse como louca. Contudo, quando um casamento arranjado com um clã rival torna Graeme Montgomery seu marido, ela aceita cumprir o seu dever – sem estar preparada para os prazeres que se avizinhavam. Graeme é um guerreiro robusto com uma voz tão grave e poderosa que ela consegue ouvi-la, e umas mãos e beijos tão ternos e habilidosos que despertam as paixões mais profundas em Eveline.
Graeme está intrigado com a sua noiva, cujos lábios silenciosos são como um fruto maduro de tentação e cujos olhos vivos e sagazes conseguem ver a sua alma. Assim que a intimidade entre ambos se aprofunda, ele descobre o segredo dela. E quando a rivalidade entre clãs ameaça a mulher que ele começara a apreciar, o guerreiro escocês moverá céu e terra para a salvar. Eveline despertou o seu coração para a melodia encantadora de um amor raro e mágico.


Sublime Sedução de Karen Marie Moning
Editora: Saída de Emergência
Data de lançamento17/04/2014
Descrição: Ele chama-me a sua Rainha da Noite. Por ele morreria. Mataria por ele, também.
Arrebatador e sedutor, este romance da nova série Fever leva o leitor a embrenhar-se nas aventuras de MacKayla Lane, a vidente de sidhe que se vê obrigada a afrontar uma Dublin infestada de Fae.
Quando Mac recebe uma página arrancada do diário da irmã morta, fica aturdida com as palavras de Alina. E sabe agora que o assassino da sua irmã está por perto. Mas o mal está mais perto ainda. A vidente de sidhe anda à caça: de respostas, de vingança. E de um antigo livro da mais negra magia, tão maléfico que corrompe quem quer que toque nele.
A demanda de Mac pelo Sinsar Dubh leva-a a percorrer as ruas escuras e ameaçadoras de Dublin com um suspeitoso polícia no seu encalço. Forçada a uma perigosa aliança triangular com V’lane, um letal Príncipe Fae, e Jericho Barrons, homem de mortais segredos, Mac não tardará a ver-se enredada numa batalha pelo seu corpo, mente e alma.


Revelada de PC Cast e Kristin Cast
Editora: Saída de Emergência
Data de lançamento11/04/2014
Descrição: A Casa da Noite aguarda-te. Um local cheio de perigos e segredos onde os jovens marcados têm dois destinos: ou se transformam em vampyros ou morrem destroçados.
Aproxima-se o grande final da série Casa da Noite. Após os acontecimentos do último volume, Neferet está mais perigosa do que nunca e a sua sede por vingança irá lançar o caos e a destruição entre os humanos. Zoey e os seus amigos têm que enfrentar, mais uma vez, a violência dos seus inimigos e salvar a Casa da Noite do pior.
Conseguirá Zoey travar as ações de Neferet a tempo e evitar uma guerra em grande escala? O equilíbrio entre a Luz e as Trevas está seriamente comprometido e sacrifícios terríveis terão de ser feitos para preservar o mundo dos vampyros. Neste penúltimo volume da Casa da Noite, a eterna luta entre o Bem e o Mal chegará a um novo patamar e nada voltará a ser o mesmo.


O Tintureiro Francês de Paulo Larcher
Editora: Saída de Emergência
Data de lançamento17/04/2014
Descrição: Uma história de amor e ambição no Portugal governado pela mão de ferro do Marquês de Pombal
Nos finais do séc. XVIII, o Marquês de Pombal viu-se a braços com um fracasso na sua política de regeneração industrial: a Real Fábrica de Panos, a menina dos seus olhos, apesar de todos os esforços e despesas não consegue produzir tecidos com a qualidade dos importados. Decide então convidar um tintureiro francês para vir a Portugal ensinar essa grande arte que, à época, fazia a riqueza e o prestígio das nações europeias.
O artista eleito foi o polémico Stéphane Larcher, que mal chega começa a revolucionar práticas e comportamentos. Um ano depois, cores nunca vistas vêm à luz e tecidos até então desconhecidos brilham em todo o seu esplendor. Ao partilhar a sua arte secreta com os portugueses, Stéphane sabia estar a arriscar a vida, a reputação e a fortuna. Mas ninguém o avisou que também comprometia fatalmente o próprio coração.

Editora: Saída de Emergência
Data de lançamento11/04/2014
Descrição: O que faz uma mulher quando vê a sua vida amorosa em ruínas?
Vinga-se de todos os homens que já a magoaram, claro…
Suzie Miller, uma conselheira sentimental desiludida, nem quer acreditar quando o novo namorado acaba com ela por sms. E logo a seguir a terem feito sexo… duas vezes! Decide então que chegou a hora de fazer cada um dos seus ex-namorados sentirem a dor que ela sentiu quando foi abandonada sem qualquer pudor. Os seus métodos são algo insólitos, mas esses homens merecem a humilhação em grande escala.
Eufórica por finalmente se ter insurgido, começa também a sugerir formas escandalosas para as suas leitoras lidarem com os pesadelos das suas relações. De repente, toda a gente quer conselhos da Suzie. Enfim satisfeita por estar solteira e a desfrutar da sua promissora carreira, parece que a felicidade está mesmo ao virar da esquina. Até que um homem se intromete no seu caminho…