08 maio 2011

Opinião: Celestial

Celestial de Cynthia Hand
Editora: Saída de Emergência (2011)
Formato: Capa Mole | 288 páginas
Géneros: Fantasia Urbana, Literatura Juvenil
Sinopse (Goodreads): "Clara Gardner descobriu há pouco tempo que é uma sangue-de-anjo. Ter sangue de anjo a correr-lhe nas veias, faz com que fique mais inteligente, mais forte e mais rápida do que os humanos. Significa também, que tem um propósito. Uma razão para ter sido colocada na terra. No entanto, descobri-lo, não é fácil.
As suas visões de um enorme incêndio florestal e de um rapaz atraente que ela não reconhece, levam-na para uma nova escola, numa nova cidade. Quando conhece Christian, o rapaz dos seus sonhos (literalmente), tudo parece encaixar no lugar - e, ao mesmo tempo, fora do lugar. Afinal, existe Tucker, outro rapaz que apela ao lado menos angélico de Clara.
Ela deseja apenas encontrar o seu caminho num mundo que já não compreende. Mas encontra perigos invisíveis e escolhas que nunca pensou ter de fazer - entre a honestidade e o engano, o amor e o dever, o bem e o mal. Quando o incêndio da sua visão finalmente acontecer, estará Clara preparada para enfrentar o seu destino?"

AVISO: Contém alguns Spoilers!
Devo dizer que "Celestial" de Cynthia Hand constituiu, para mim uma agradável surpresa.

A fantasia urbana juvenil (ou "YA" - Young Adult) é uma género muito vasto, pejado de títulos com histórias e personagens algo formulaicas.
Não digo que não apresentem linhas de acção intrigantes e imaginativas (como invariavelmente tem de ser para agradarem ao público-alvo), mas caem geralmente em diversos estereótipos no que ao enredo e às personagens diz respeito. Refiro-me especialmente ao romance entre protagonistas que é sempre intenso, melodramático e... à primeira vista (logo irrealista). O exemplo mais famoso deste tipo de fórmula é o livro "Crepúsculo" de Stephenie Meyer, mas existem muitos outros que costumo referir sempre que opino sobre um livro deste género.

Celestial, surpreendeu-me porque mesmo tendo alguns elementos comuns a todos os livros do tipo (o triângulo amoroso e as amizades algo improváveis entre outros) tem também ideias bastante originais.

Apesar de ser um livro sobre anjos, gostei da maneira cuidada e gradual como a autora desenvolveu a mitologia e as "regras" do seu mundo. O facto de Clara, a personagem principal, estar ainda a aprender sobre a sua ascendência e os seus poderes fez com que o leitor tivesse oportunidade de aprender também. Isto não acontece em muitos livros, uma vez que os protagonistas já estão seguros das suas "identidades sobrenaturais" e as personagens humanas aceitam essas diferenças com muita facilidade. Mas em "Celestial", Cynthia Hand leva o seu tempo a explicar as origens dos sangue-de-anjo, os seus poderes e as suas limitações. Gostei também de como se baseou na história dos Nephilim, que foi aqui usada de forma muito mais inteligente e interessante do que em Angelologia, na minha modesta opinião.

Ao mesmo tempo consegue não deixar a história para trás, consegue não descurar pormenores importantes do enredo; algo que também acontece com muitos livros de YA, que se focam no romance e deixam as outras linhas de acção para serem resolvidas no fim, à pressa.

Algumas das personagens de "Celestial" são bastante estereotipadas, sendo o exemplo mais gritante um dos protagonistas, Christian que é do tipo misterioso e algo torturado. No entanto, a maioria das personagens tem uma voz muito própria e as suas interacções são bastante realistas.

"Celestial" destaca-se assim do rol de obras YA publicadas em Portugal nos últimos anos. A história é intrigante e está bem escrita, as personagens são interessantes e simpáticas. Uma obra fresca e original com um enredo que nos envolve e que nos deixa desejosos de ler a sequela. Recomendado para quem gosta de fantasia urbana, mas está farto de ler sempre o mesmo tipo de história.

4 comentários:

p7 disse...

Ainda bem que gostaste. :D Acho que foi o que pensei quando acabei este, pareceu-me tão... fresco e diferente da fórmula YA típica. ;) Por acaso o personagem de que menos gostei foi o Christian precisamente por ser o mais estereotipado. :P

slayra disse...

:D Por acaso demorei 1 tempão a comprar este livro porque estava traumatizada com livros sobre anjos (Hush, Hush, Anjo Caído e Angelologia foram as más experiências) e porque a sinopse dá uma ideia errada do livro... lá está, fá-lo parecer mais mainstream sempre a falar dos sonhos e do Christian. Mas o final... ai, ai, lá vou eu ter de comprar o segundo. O_O

Philippa_Vic disse...

Eu disse-te que ias gostar.
Christian, coitado... é o totozinho lá do sitio.
Espero que no 2º "cresça". Porque, afinal, ele também é 'especial'.

slayra disse...

Eu devia saber que não me ias aconselhar mal... tb não foste à bola com o Crepúsculo, lol. :D