20 junho 2011

Opinião: O Último Desejo

O Último Desejo de Andrzej Sapkowski
Editora: Editorial Presença (2011)
Formato: Capa Mole | 275 páginas
Géneros: Fantasia
Descrição (Editorial Presença): "Desde a década de 1990 que o bruxo Geralt de Rivia se tornou um dos heróis de culto na Europa de Leste, tendo passado rapidamente do âmbito literário, para o cinema, a televisão e até os jogos electrónicos. Sapkowski, o seu criador, senhor de um humor corrosivo e de uma escrita de características pós-modernas, é um admirável inovador da linguagem. O facto de se ter imposto num mercado onde domina o fantástico anglo-saxónico é por si só uma proeza, mas mais interessante foi ter rompido com os estereótipos do género. Para Spakowski, o normal é serem as princesas a assaltar os caminhos..."
Num estranho mundo de contrastes, onde os monstros pululam nas florestas, montanhas e mesmo nas cidades e aldeias, encontramos Geralt de Rivia um homem dedicado à destruição dos mesmos. De idade indeterminada e personalidade misteriosa, Geralt é um bruxo, contratado por muitos e desprezado por alguns.

Apesar de não ser grande fã de contos (ou "short-stories"), devo dizer que gostei desta leitura uma vez que os referidos contos têm um objectivo particular e não são apenas um conjunto de histórias reunidas num mesmo livro.

"O Último Desejo" é claramente um livro de introdução ao mundo e às personagens que nele se movem (especialmente o protagonista Geralt). A história "principal" digamos, é apenas o fio condutor para outras mais pequenas que nos mostram Geralt em acção em diversos locais diferentes. Gostei imenso como o autor brincou e distorceu os nossos "contos de fadas" dando-lhes o seu cunho pessoal e introduzindo-os como elementos nas aventuras de Geralt.

É, como disse, através destes contos que ficamos a conhecer Geralt, o seu amigo trovador e muitas outras personagens que terão, certamente, um papel activo nos livros que se seguem. Conseguimos também entrever algumas das características do mundo criado por Sapkowski, que apesar de ser bastante genérico na sua construção - com vilas e povos medievais, anões e elfos, etc - surpreende pelas mudanças que nele se operam, tão semelhantes à da nossa própria realidade. Pois no mundo de Geralt também existem indícios de problemas ambientais e fala-se mesmo de assuntos como o racismo e a extinção de certos clãs, devido à sua incapacidade de se adaptarem.

Quanto à história dita "principal" (que ocorre em capítulos alternados aos dos contos) não se pode dizer que esteja particularmente bem desenvolvida; o seu 'papel' no livro, penso eu, é o de providenciar um fio condutor (ou uma desculpa) que permita a narração das diversas aventuras de Geralt e amigos apresentadas no livro. Apenas no final é que existe um pequeno desenvolvimento que servirá provavelmente como preparação para o livro seguinte.

No geral: "O Último Desejo" é uma leitura engraçada e quase sempre interessante. O mundo de Sapkowski não será dos mais originais, mas a maneira como usa histórias conhecidas e as insere e adapta ao universo de Geralt é bastante criativa. Deve também ter-se em conta que este livro é apenas introdutório pelo que não existe grande desenvolvimento das personagens ou uma história particularmente intrincada. Uma boa leitura para os amantes do género fantástico.

Nota: Foi-me enviado, pela Editora, um exemplar desta obra para análise mas isso não influenciou em nada a opinião aqui apresentada.

4 comentários:

Laura disse...

Aaaah, eu já tinha visto isto antes, mas não tinha a certeza se valeria muito a pena...
Penso que lhe vou dar uma chance. :)

Laura disse...

Olha o que encontrei no BD: http://www.bookdepository.co.uk/Words-Live-By-Lewis/9780061209123

Aposto que não conheces (ahem). (kinda) creepy.

slayra disse...

Lol, por acaso não... mas porque é que tem a capa do Crepúsculo? O_O

Laura disse...

Não faço ideia. Eu até abri isso para ter a certeza que não estava errado. Talvez seja tipo maçã = primeiro pecado e livro = ideais para uma boa vida cristã, não sei...