29 julho 2011

Opinião: A Dance with Dragons (George R. R. Martin)

A Dance with Dragons de George R. R. Martin
Editora: Voyager (2011)
Formato: Capa Dura | 1016 páginas
Géneros: Fantasia
Sinopse (Goodreads): "In the aftermath of a colossal battle, the future of the Seven Kingdoms hangs in the balance once again - beset by newly emerging threats from every direction. In the east, Daenerys Targaryen, the last scion of House Targaryen, rules with her three dragons as queen of a city built on dust and death. But Daenerys has three times three thousand enemies, and many have set out to find her. Yet, as they gather, one young man embarks upon his own quest for the queen, with an entirely different goal in mind.

To the north lies the mammoth Wall of ice and stone - a structure only as strong as those guarding it. There, Jon Snow, 998th Lord Commander of the Night's Watch, will face his greatest challenge yet. For he has powerful foes not only within the Watch but also beyond, in the land of the creatures of ice.

And from all corners, bitter conflicts soon reignite, intimate betrayals are perpetrated, and a grand cast of outlaws and priests, soldiers and skinchangers, nobles and slaves, will face seemingly insurmountable obstacles. Some will fail, others will grow in the strength of darkness. But in a time of rising restlessness, the tides of destiny and politics will lead inevitably to the greatest dance of all...
"
AVISO: esta opinião contém alguns SPOILERS!
"A Dance with Dragons" cuja primeira parte sairá em Portugal em Setembro com o título "A Dança dos Dragões" (Saída de Emergência) é o quinto livro das Crónicas de Gelo e Fogo.

Um livro massivo, com mais de 900 páginas de história e mais de 50 de extras e indexes, peca no entanto por, como já vem aliás sendo hábito, trazer muito pouco desenvolvimento ao enredo.

A técnica narrativa utilizada por George R. R. Martin nas suas Crónicas é sem dúvida interessante e permite uma construção cuidada e pormenorizada da história, para já não falar de um desenvolvimento soberbo das personagens. Foram precisamente os múltiplos pontos de vista, a maneira diferente como cada personagem vê e enfrenta os acontecimentos que primeiro me atraíram nesta série de fantasia.

Mas, se a principio cativou, depressa se tornou monótono tomar conhecimento dos acontecimentos pelos olhos de tantas pessoas diferentes. Especialmente a partir do quarto livro, quando o autor decidiu abrir uma nova linha de acção envolvendo pessoas que até então não tinham aparecido ainda na série. O que começou por ser uma boa técnica de construção do mundo e das personagens tornou-se um entrave à fluidez da história à medida que Martin adiciona mais e mais personagens com direito aos seus próprios capítulos.

E se nos primeiros livros as personagens que relatavam a história se encontravam no meio da acção, nestes últimos ("A Feast for Crows" - "O Festim dos Corvos" + "O Mar de Ferro" e "A Dance with Dragons") temos pontos de vista de personagens menores, que pouco ou nada contribuem para o avanço da história e que tornam a leitura, por vezes, monótona e um pouco penosa. Torna-a também algo fragmentada e difícil de seguir; muitas vezes durante esta leitura soltei um suspiro de exasperação quando acabava um capítulo relevante (pelo menos parecia-me relevante a mim - e já falarei sobre isto mais à frente) e se seguia um dedicado a uma personagem menos importante que não trazia nada de novo. Na minha humilde opinião certos acontecimentos não necessitavam de tanto pormenor nem da introdução de uma personagem apenas e somente para os explicar.

Isto traz-me a outro problema que tive com este livro (que já referi de passagem, em cima): a sobre-exploração de todos os pormenores de todos os acontecimentos fazem com que o leitor se sinta algo confuso e incapaz de distinguir com clareza qual é o enredo do livro... o facto de todas as perspectivas terem o seu "momento na ribalta" impede que se identifique com clareza qual é a história que Martin quer contar. A de Jon Snow? A de Daenerys Targaryen? A de Tyrion Lannister? A de Arya Stark?
Todas estas personagens têm uma forte presença na série mas não se percebe se as Crónicas são um relato das suas jornadas individuais ou se o enredo cobre mais, se pretende contar a história de Westeros; ou do mundo para lá de Westeros. E sinceramente, no quinto livro... isso já deveria estar claramente estabelecido.

Com tantos pontos de vista diferentes, com a exploração de tantos ângulos e perspectivas, a história avança lentamente e não me parece que Martin consiga concluir convenientemente a sua saga (e é mesmo a mais pura definição de "saga") com apenas mais dois livros. Parece-me provável que muitas coisas sejam mal explicadas ou nunca cheguem a ser explicadas se a acção continuar a desenvolver-se a um ritmo tão lento.

No geral: "A Dance with Dragons" é sem dúvida uma leitura interessante e gostei de voltar a Westeros e às Cidades Livres e de ler mais sobre diversas personagens que já se haviam tornado favoritas. No entanto, apesar de ter mais de 1000 páginas não há grande avanço na história, o que me deixou desapontada. Martin aposta novamente no desenvolvimento de personagens em detrimento do do enredo e parece-me que se afunda mais e mais ao criar novos pontos de vista e ao introduzir novas personagens que bem poderiam não ter sido introduzidas considerando a importância e influência que tiveram (muito pouca).

A resolução dos problemas em Westeros tarda em aparecer; os inimigos da muralha tardam em aparecer. Ao ler "A Dance with Dragons" deu-me a ideia que Martin está relutante em andar com história para a frente, preferindo que ela avance a "passo de caracol". Que prefere centrar-se em determinadas linhas de acção menores (batalhas e cercos menores, questiúnculas entre clãs, etc) e descurar as mais importantes e de mais impacto (os "Outros", as origens da muralha, os poderes de Melisandre e Daenerys e os dragões).
Mesmo assim pretendo continuar a ler esta série de fantasia que ainda considero uma das melhores dentro do género.

6 comentários :

WhiteLady3 disse...

Really? Cinco livros e ainda não se sabe nada dos "Outros"? Mas, o que raio anda ele a fazer?

slayra disse...

A engonhar. :P

p7 disse...

Queria ler a tua review, mas estou a tentar fugir de spoilers e vou esperar até Setembro, quando sair a edição portuguesa. ;) Estou curiosa para ver o que achas.

WhiteLady3 disse...

Ah bolas! Odeio engonhanço! O que vale é que ele deve matar umas quantas personagens, caso contrário "FANSHIP" OVER! :P

slayra disse...

p7: Não tem muitos spoilers a única coisa que vais saber é que é que não acontece (mas em termos muito gerais). De qualquer modo se não queres spoilers absolutamente nenhuns o melhor é mesmo não leres. :/

Whitelady: Já sabes que morte e tortura há sempre por isso... :P

p7 disse...

Não resisti e li. :D Está bastante geral, praticamente spoiler-free. ;)

Estou a ver que ainda não é desta que o homem deixa de engonhar... Espero que ao menos chegue ao famoso Meerense Knot de que eu tanto ouvi falar. :S

Quanto a quem é o protagonista, eu ao ler o 1º livro achava que eram os Stark, até uma certa coisa acontecer ao Ned... Depois convenci-me que ninguém é protagonista e que é mais uma narrativa geral sobre certos acontecimentos em Westeros.