04 outubro 2011

Opinião: O Círculo Secreto (L.J. Smith)

The Secret Circle de L.J. Smith
Editora: Hodder Childrens (2010)
Formato: Capa Mole | 621 páginas (2 vols.)
Géneros: Lit. Juvenil, Fantasia Urbana, Romance
Descrição (1º volume, GR): "Forced to move from sunny California to gloomy New England, Cassie is homesick - until she forms a bond with a group of teenagers at her school. This clique rules the school - no one dare cross them - but Cassie feels a strange kinship with them, and when she is initiated into their 'secret circle' she is both terrified and thrilled to be part of a coven of witches that have controlled New Salem for hundreds of years...But then Cassie falls in love. Now she has a tough decision to make: does she walk away, or does she step over to the dark side?"
A autora americana L.J. Smith é actualmente bastante conhecida, especialmente por causa d'Os Diários do Vampiro, a sua série top de vendas (que foi já transformada numa série de TV) sobre dois irmãos vampiros e... uma rapariga. Foi por esta razão que decidi escrever esta opinião em português, apesar dos livros não estarem ainda traduzidos para a nossa língua. No entanto, com a estreia da série de TV e a relativa popularidade da autora em Portugal, penso que é apenas uma questão de tempo até esta trilogia, The Secret Circle, estar disponível nas nossas livrarias. E se não for este o caso, bem, pelo menos saberão o que penso da escrita da autora.

"The Secret Circle", cujos livros foram publicados pela primeira vez no início dos anos 90 (e nota-se: menções a "walkmans" e vídeos são comuns) conta a história de Cassandra (Cassie) Blake, uma adolescente vulgar que vê a sua vida mudar drasticamente quando a sua mãe lhe diz que têm de se mudar da Califórnia para a Nova Inglaterra para cuidar da avó que está doente. Cassie sente-se traída por ser obrigada a mudar de casa e principalmente de escola; num drama bem conhecido, a maior preocupação de Cassie é o facto de ir ter de "começar tudo de novo" numa nova escola.

Mas quando chega a New Salem, a cidade onde vive a avó, Cassie percebe que algo de estranho se está a passar. A escola secundária parece estar dominada por um grupo de juvens (o infame e misterioso "Clube") que assustam não apenas os alunos mas mesmo os professores. E Faye, a bela e maldosa líder não gosta nada de Cassie...

O meu maior problema com esta trilogia foi... exactamente o facto de ser uma trilogia. Depois de terminar a leitura, senti que estes três livros podiam muito facilmente ter sido transformados apenas num. Na verdade o enredo é tão simplista ao longo dos livros que penso que só há realmente história suficiente para um livro.
A autora podia ter feito muito mais com a história... mas não fez. O enredo está bastante mal desenvolvido e foca-se, a meu ver, demasiado em dramas adolescentes 'normais' em vez de no aspecto que deveria ser o mais importante: o facto de Cassie e os membros do "clube" serem bruxas. Apesar de ser, aparentemente, este o fio condutor da história, está mal explorado. Oh, a história está construída em volta deste facto, sim, mas Smith perde-se um pouco com questões como os amores de Cassie e as relações de Cassie com rapazes e coisas do género. Sim, percebo que este tipo de coisas são importantes na vida de uma adolescente; mas isso não desculpa a pouca atenção dispensada ao enredo principal.

As personagens são bastante típicas deste tipo de livro: Cassie é tímida e modesta, mas poderosa. Adam e Nick são ambos atraentes e formam a base do triângulo amoroso. Faye é a típica rapariga mazinha e todos os outros representam um qualquer tipo de estereotipo: a rapariga sabichona (a la Hermione), a rapariga popular e bela e boazinha, o rapaz medricas, os rapazes rebeldes, etc, etc.

No geral? Esta série não me impressionou. Nunca tinha lido nada da autora e não tinha qualquer tipo de expectativas, mas achei que o enredo era muito fraquito e que a autora podia ter explorado muito melhor os elementos sobrenaturais da história. Falado um bocado mais de Salém, das bruxas e do seu "sistema de magia" por assim dizer. É que as personagens, apesar de serem bruxas não fazem grandes feitiços ou magia. 
Achei também que tanto a história como as personagens eram muito estereotipados: temos o triângulo amoroso, as personagens mal desenvolvidas e o "amor ardente à primeira vista", mas considerando a época em que os livros foram escritos - muito antes da explosão de popularidade do género da fantasia contemporânea/ urbana - penso que é compreensível. Provavelmente não era assim tão cliché como é actualmente.

Pelo que já vi da série de TV, penso que há potencial na história... mas os livros precisariam de um maior desenvolvimento em termos de enredo e personagens para serem realmente interessantes. Mesmo assim foram leituras leves e divertidas.

10 comentários:

WhiteLady3 disse...

Tentei ler os Diários do Vampiro mas desisti. Parece-me que estes também não são melhores. Devo ficar-me pelas séries televisivas, se por acaso vier a assistir a alguma...

slayra disse...

Os livros são engraçados, mas quer-me parecer que a autora não conseguia vendê-los como trilogia actualmente. Acho que possivelmente pediriam que fosse transformado num só livro. Pelas minhas contas cada um dos livros originais devia ter entre 150 a 200 páginas. :/

Philippa_Vic disse...

Eu tenho as crónicas vampíricas e já li todos menos o ultimo.
São bons livros para adormecer. Têm alguma acção e algumas cenas bem conseguidas/bem escritas mas os 5 que li todos juntos e sem a palha e cenas de caca deviam dar um bom livro.

Andava curiosa com estes do circulo, mas agora não sei.
Vejo a série e sinceramente também espero que melhore.

Sofia disse...

Eu tive exactamente o mesmo problema com esta autora, quando li a trilogia "The Forbidden Game". A ideia para a história é muito boa, mas foi muito mal aproveitada e da forma como foi escrita, mais valia ser só um livro. Como vejo é o mesmo com os restantes livros dela, portanto não é autora que eu pense voltar a ler.

p7 disse...

Os livros da L.J. Smith são todos assim (pequenos e com pouca substância), por isso não recomendo avançares para outros dela. ;) Recomendo antes a série dos Diários do Vampiro, que é mais elaborada.

Imagino que tendo muitos dos livros dela sido publicados há quase 20 anos, o panorama dos livros YA fosse algo diferente... Hoje em dia, apesar dos clichés, são mais complexos. :)

Laura disse...

Ou seja, tanta coisa que se poderia contar sobre as bruxas de Salem e desenvolver uma história à volta disso e do círculo deles, e passa-se mais tempo a ler sobre o tiângulo amoroso do que de feitiços. Certo. Não vou ler. LOL

slayra disse...

Phillipa: eu estava a pensar adquirir o primeiro das Crónicas (Despertar, não é?) agora que saiu em versão livro de bolso, mas realmente depois de ler estes... já não sei. Achas que valem a pena ler (mesmo não sendo muito desenvolvidos em termos de história)?
Quanto à série, do que vi parece-me que vai ser bem mais interessante que os livros... será que se passa o mesmo com "Os Diários do Vampiro"?

Sofia: é exactamente como dizes... para mim, cortava-se algumas das cenas do livro, como diz a Phillipa e transformava-se a trilogia num stand-alone. Mas penso que o facto de ser tão pequeno pode dever-se a restrições editoriais da época. O_O Mas realmente também não fiquei com grande vontade de ler mais, não.

p7: já andava a pensar ler Os diários do Vampiro, se bem que depois de ler estes fiquei com menos vontade. Mas o primeiro saiu em versão de bolso (da Booklet) e não deve estar caro, logo se vê, lol.
Na altura em que os livros foram escritos a fantasia urbana não era propriamente um género em que as editoras apostassem muito, estou em crer. Por isso se escrevesses um livro do género provavelmente não te deixariam elaborar muito a não ser que fosses a Anne Rice.
Os livros da LJ Smith são muito populares agora, mas isso é mais por causa de livros que vieram depois, como o Crepúsculo. :/

Laura: Sim, basicamente. E por exemplo nos livros que li antes destes (os da Cate Tiernan) as personagens estavam muito mais envolvidas no seu papel e mostravam os seus poderes e dava a sensação que as ervas e os cristais tinham poderes... mas aqui não; a Cassie usa cristais mas nunca acontece nada. O_O LOL.

Philippa_Vic disse...

Sim, é o Despertar.

Se quiseres empresto-to e tu depois logo vês a tua vida. xD

É assim, apesar de a série ser baseada nos livros, no meu ponto de vista não tem nada a ver. Os únicos pontos em comum são o nome das personagem (e nem todas) e o lugar onde se situa a história.
É uma história diferente da série, eu fiquei 'contente' de ler os livros porque... bem, sinceramente? Porque o Stefan desaparece no fim do 1º ou do 2º e depois volta a desaparecer no 4º ou no 5º e até à data ainda não apareceu. xD O que dá muito espaço ao Damon.
Lê que não perdes muito. É um livro que se lê num dia. Por isso se não gostares, pelo menos tentaste e podes decidir se continuas ou desistes. ;)

Rute disse...

Excelente crítica.
Já digo ;)

p7 disse...

Bom, a versão de bolso já posso recomendar, sempre é mais barata e é em português. ;) Pessoalmente, como já sei o tipo de história que me vai aparecer à frente, leio esta autora quando quero ler algo mesmo, mesmo, mesmo leve, e vou sem expectativas, que a leitura corre melhor. :)

Já li dela Os Diários do Vampiro (até ao 4º livro) e os volumes salteados do Nightworld que a Planeta tem andado a publicar. Gostei mais dos Diários, porque têm uma história que percorre vários livros, em vez do Nightworld, que tem histórias isoladas que têm uma ligeira ligação. Mas ainda não li os Diários depois de começar a ver a série, temo que poderão vir a desapontar-me. :/