29 outubro 2012

Opinião: Cinder (Marissa Meyer)

Cinder by Marissa Meyer
Editora: Planeta (2012)
Formato: Capa Mole | 318 oáginas
Géneros: Ficção Científica, Lit. Juvenil
Descrição (GR): "Com dezasseis anos, Cinder é considerada pela sociedade como um erro tecnológico. Para a madrasta, é um fardo. No entanto, ser cyborg também tem algumas vantagens: as suas ligações cerebrais conferem-lhe uma prodigiosa capacidade para reparar aparelhos (autómatos, planadores, as suas partes defeituosas) e fazem dela a melhor especialista em mecânica de Nova Pequim. É esta reputação que leva o príncipe Kai a abordá-la na oficina onde trabalha, para que lhe repare um andróide antes do baile anual. 
Em tom de gracejo, o príncipe diz tratar-se de «um caso de segurança nacional», mas Cinder desconfia que o assunto é mais sério do que dá a entender. 
Ansiosa por impressionar o príncipe, as intenções de Cinder são transtornadas quando a irmã mais nova, e sua única amiga humana, é contagiada pela peste fatal que há uma década devasta a Terra. A madrasta de Cinder atribui-lhe a culpa da doença da filha e oferece o corpo da enteada como cobaia para as investigações clínicas relacionadas com a praga, uma «honra» à qual ninguém até então sobreviveu. Mas os cientistas não tardam a descobrir que a nova cobaia apresenta características que a tornam única. Uma particularidade pela qual há quem esteja disposto a matar."
(Nota: a edição lida foi a inglesa, mas apresentam-se os dados da portuguesa)

"Cinder" de Marissa Meyer foi um dos livros mais aclamados (pelos bloggers e reviewers, pelo menos) do início de 2012. Convenhamos que tem um enredo aliciante: é a história da Cinderela passada num futuro distante, na cidade de Nova Pequim. Temos a madrasta, sim, e as duas irmãs, mas a Cinder(ela) é uma mecânica ciborgue que se envolve numa conspiração real. O príncipe não está lá apenas para a salvar. E, bem, é ficção científica. Isso para mim é sempre bom.

Mas... esperava mais. Tinha altas expetativas, como calculam, porque pela sinopse me parecia que a Cinder ia ser uma personagem feminina forte e interessante. E que a autora iria fazer mais com a história do que apenas "recontar" o conto de fadas.

Não foi o que aconteceu. Oh, certamente que o imaginário criado pela autora é interessante. E a Cinder é uma das melhores protagonistas juvenis que já vi nos últimos tempos. Mas mesmo assim ainda fica caída pelo príncipe, ainda vai ao baile e ainda passa muito do livro a correr de um lado para o outro feita parva.

Gostei do facto da Cinder ser um ciborgue, considerada um cidadão de segunda categoria. Também gostei do facto da autora ter tentado humanizar todas as personagens; a madrasta tinha razões (distorcidas, certamente, mas não era maldade só para ser vilã) para agir como agia e a Cinder não é uma santinha que nunca faz nada de mal... também manda bocas. Achei que a madrasta e a Cinder brilharam como protagonistas; já o príncipe Kai bem podia não estar lá... e uma vez que ele narrou parte da história, o livro tornou-se aborrecido nalgumas partes.

Achei que a autora foi apenas medianamente bem sucedida na sua tentativa de incorporar as partes fundamentais do conto (príncipe, baile, a Cinder a ser maltratada) no seu mundo futurista; havia sempre demasiado a acontecer, com praga que assola a cidade e os misteriosos habitantes da Lua com os seus poderes mentais. O livro parava, por vezes, para descrever a vida de Cinder e penso que com tantas linhas de acção não era necessária a descrição dos tempos mortos.

No geral, um livro interessante e divertido com um mundo que parece bastante imaginativo (mas que precisa de ser aprofundado). A heroína tem imenso potencial para ser uma durona, mas pouco mostrou neste livro. O enredo é bastante previsível o que fez com que só lhe desse três estrelas, mas se não fosse isso merecia mais.

6 comentários :

jen7waters disse...

Mmm. *coça a cabeça* Não sei que faça.

slayra disse...

É engraçado, mas o Kai não faz lá falta nenhuma, methinks. Mas pronto, sem príncipe não há conto de fadas. xD

Arttemizza Lia disse...

Tb tinha grandes expectativas com este livro.

jen7waters disse...

Então nesse aspecto deve ser um bocadinho como o Throne of Glass, o príncipe bem que podia ir ver se está a chover durante o livro todo que nem se ia notar que faltava alguém. Eheh.
Mas não sei que faça em relação a este. Se calhar um dia destes num momento de loucura ainda o compro. Ou então não xD

WhiteLady3 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
WhiteLady3 disse...

A capa original é linda e até parecia ser um livro interessante, mas sempre tive algum receio da parte YA e confirmaste-o. :(