23 fevereiro 2014

Opinião: A minha história com BOB (James Bowen)

A minha história com BOB by James Bowen
Editora: Porto Editora (2012)
Formato: Capa mole | 190 páginas
Géneros: Autobiografia, Não-ficção
Descrição: "Quando James Bowen encontra um gato alaranjado no prédio onde vive, não faz ideia do quanto a sua vida irá mudar. Lutando por sobreviver como músico de rua na cidade de Londres, a última coisa de que precisa é um animal de estimação. No entanto, incapaz de resistir ao animal doente, acolhe-o em sua casa. Quando Bob recupera a saúde, James deixa-o à porta do prédio, imaginando que nunca mais o voltará a ver. Todavia, Bob tinha outros planos. Dentro de pouco tempo, os dois tornam-se inseparáveis e as muitas aventuras que irão viver transformarão para sempre as suas vidas, curando lentamente as cicatrizes do passado atribulado de ambos. Esta é a história de uma amizade improvável e de como um gato vadio irá ajudar um homem a recuperar a sua autoestima e dar-lhe uma nova esperança quando o resto do mundo lhe parecia ter fechado as portas." "A minha história com BOB" é um livro vagamente autobiográfico sobre um homem que tem uma vida dura e encontra um dia um gato abandonado."
Geralmente não vou muito à bola com este tipo de livros em o autor reconta a sua ou a vida de alguém, um caso famoso ou algo do género. Simplesmente não é o meu estilo. Prefiro livros de ficção porque, enfim, para vidas reais já basta a minha.

No entanto, estes livros "aparecerem" completamente por acaso em minha casa (por uma vez, não fui eu que os comprei) e como puserem membros menos adeptos da leitura a ler, fiquei com curiosidade. E bem, Bob é um gato e eu gosto de gatos (até tenho um).

Suponho que não seja mau, dentro do género. O autor descreve a sua vida diária e como o Bob o ajudou a melhorar a mesma. Penso que o propósito era criar inspiração nos outros mas a verdade é que a descrição é demasiado vaga para isso, na minha humilde opinião. Nunca senti grande coisa face às dificuldades do narrador.

O facto de James Bowen não ser exatamente um bom escritor também não ajudou. A prosa é simplista e pouco cativante. Claro que, possivelmente, a qualidade da escrita é secundária neste tipo de livros, mas não consegui deixar de notar. Não impede a leitura (se bem que, se o livro fosse maior talvez se tornasse um problema), mas não é nada de especial.

O autor antromorfiza demasiado o gato, o que dá um ar um bocado irrealista a uma narrativa que, supostamente, é real. Demasiado floreado.

No geral, nada de especial, como já disse. Mas ao mesmo tempo, tenho de confessar que não sou provavelmente o público-alvo deste género de livros. Para quem gosta de histórias da "vida real" este livro poderá ser indicado: tem uma escrita acessível e um animal fofinho.

Sem comentários :