23 junho 2014

Opinião: Amores Secretos (Kate Morton)

Amores Secretos by Kate Morton
Editora: Suma das Letras (2014)
Formato: Capa mole | 564 páginas
Géneros: Mistério/thriller, Romance histórico
Descrição: "Laurel, actriz de sucesso, regressa à casa da família para celebrar o nonagésimo aniversário da mãe, Dorothy, que sofre de Alzheimer.
Esse dia recorda-lhe um outro, há muito esquecido. Naquele fatídico aniversário do seu irmão, Laurel estava escondida na casa da árvore, a fantasiar com um amor adolescente e um futuro grandioso em Londres, quando assistiu a um crime terrível, que mudaria a sua vida para sempre. Foi com terror que Laurel viu a mãe cravar a faca do bolo de aniversário no peito de um desconhecido. O regresso ao local onde tudo aconteceu é a última oportunidade para Laurel descobrir o temível segredo daquele dia e encontrar as respostas que só o passado da sua mãe lhe pode dar. Pista após pista, Laurel irá desvendar a história secreta de três desconhecidos que a Segunda Guerra Mundial uniu em Londres — Dorothy, Vivien e Jimmy — e cujos destinos ficaram para sempre ligados.
Uma fascinante história de segredos e mistérios, de um crime obscuro e de um amor eterno. Mais um livro inesquecível de uma das autoras de maior sucesso dos nossos tempos."
"Amores Secretos" (em inglês, "The Secret Keeper") é a minha estreia com a autora Kate Morton, uma autora que, pelo menos pelo que me parece, é bastante popular em Portugal. Talvez tenha sido por isso que adiei tanto a leitura dos livros de Morton; quando se criam expectativas, quando se quer gostar de um livro e se procura sentir a magia que tantos outros leitores já sentiram... bem, isso condiciona a leitura e enche um leitor de algum receio.

Felizmente, com Kate Morton, não me senti defraudada como já aconteceu com tantos outros autores famosos. Este livro foi uma leitura interessante, por vezes compulsiva e por vezes mais calma, mas sempre envolvente.

"Amores Secretos" foca-se numa família inglesa aparentemente normal. A matriarca, Dorothy, com 90 anos, sofre de Alzheimer. Os filhos reúnem-se para celebrar o seu aniversário.

No entanto, nem tudo é o que parece. Laurel, a filha mais velha de Dorothy foi a única a presenciar um acontecimento traumático: em 1961, com apenas 16 anos, viu a mãe assassinar um desconhecido. E agora, com a mãe às portas da morte, Laurel decide que está na altura de desvendar o mistério desse crime horrível. A mãe não lhe será de grande ajuda, devido à sua condição, mas com algumas pistas e meias lembranças, Laurel consegue obter uma imagem do passado e perceber o que se passou.

Como já disse, uma leitura interessante. Não é tanto um livro de mistério como um romance histórico que se centra em acontecimentos passados durante a 2.ª Guerra Mundial. As personagens não são tanto Laurel e os irmãos mas sim Dorothy, Vivien e Jimmy, jovens dos anos 40. A autora pinta um retrato trágico e melancólico destes três jovens numa época em que existia bastante desespero.

O desenvolvimento das personagens é bastante realista e interessante. Dorothy é a anti-heroína perfeita e Vivien e Jimmy são heróis torturados igualmente perfeitos... até que deixam de o ser. Confesso que, apesar de ter percebido a menos de meio do livro o que se tinha passado e qual era o grande "segredo", gostei de seguir as personagens, de ler sobre os seus pensamentos, dúvidas e sonhos. Foi sem dúvida Dorothy que mais me interessou; a sua personalidade carismática mas algo sombria pareceu-me tão humana e sincera, e um contraste tão bom relativamente a Vivien, que, no fundo, achei que era ela a personagem principal.

Comparativamente às personagens dos anos 40, as do presente (2011) não foram particularmente bem desenvolvidas; nem mesmo Laurel, a "protagonista" dos capítulos do presente.

O enredo não é propriamente complicado, mas é intrigante e a aura de mistério e tragédia (estamos em Londres, na 2.ª Guerra Mundial) que envolve a narrativa torna-a chamativa. Certamente que a guerra é pouco mais do que o pano de fundo e que a narrativa se foca na vida doméstica das personagens mas mesmo assim este acontecimento permeia a vida dos protagonistas de forma mais ou menos despercebida, mas nem por isso menos significativa.

No geral, "Amores Secretos" foi uma boa leitura. Fácil de adivinhar, certamente, mas com personagens carismáticas, uma descrição histórica soberba e uma escrita fluída, foi uma leitura quase compulsiva. Estou com vontade de ler mais.

Sem comentários: