05 novembro 2010

Opinião: Os Jogos da Fome (Suzanne Collins)

Os Jogos da Fome de Suzanne Collins
Editora: Editorial Presença (2009)
Formato: Capa Mole | 286 páginas
Géneros: Ficção Científica, Lit. Juvenil
Sinopse (Editorial Presença): "Num futuro pós-apocalíptico, surge das cinzas do que foi a América do Norte Panem, uma nova nação governada por um regime totalitário que a partir da megalópole, Capitol, governa os doze Distritos com mão de ferro. Todos os Distritos estão obrigados a enviar anualmente dois adolescentes para participar nos Jogos da Fome - um espectáculo sangrento de combates mortais cujo lema é «matar ou morrer». No final, apenas um destes jovens escapará com vida… Katniss Everdeen é uma adolescente de dezasseis anos que se oferece para substituir a irmã mais nova nos Jogos, um acto de extrema coragem… Conseguirá Katniss conservar a sua vida e a sua humanidade? Um enredo surpreendente e personagens inesquecíveis elevam este romance de estreia da trilogia Os Jogos da Fome às mais altas esferas da ficção científica."

"Os Jogos da Fome" é o primeiro livro da trilogia de ficção científica com o mesmo nome, direccionada para jovens adultos.

Neste livro a acção passa-se num futuro distante em que uma qualquer catástrofe transformou radicalmente o sistema político e social dos Estados Unidos. Qual a catástrofe e há quanto tempo aconteceu não nos é dito. O certo é que Katniss Everdeen, a nossa protagonista, vive em Panem, uma nação dividida em doze distritos (cada distrito é responsável pela produção de um recurso específico) e controlada por um misterioso corpo político, o "Capitólio". Apesar da cidade onde está sediado o Capitólio ser bastante moderna, na maioria dos doze distritos o nível de vida é bastante mais modesto, tendo Katniss de recorrer à caça para alimentar a família.

Todos os anos, o Capitólio organiza um evento chamado "Os Jogos da Fome", que pode ser descrito como uma mistura entre as antigas lutas de gladiadores romanas e o programa "Survivor". Cada distrito deve fornecer, obrigatoriamente, 2 "tributos" um rapaz e uma rapariga com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos. Os Tributos são depois levados para a cidade do Capitólio e largados numa arena onde são instigados a lutar até à morte até haver apenas um sobrevivente. Este é um acontecimento mediático, e tal como um reality-show é transmitido todos os dias em directo e ao qual as pessoas são obrigadas a assistir. Os Jogos da Fome servem o propósito de mostrar o poder do Capitólio sobre os doze distritos (aquando desta explicação, Katniss também nos informa da existência de um décimo-terceiro distrito que há muito tempo atrás se havia revoltado contra o Capitólio, tendo por isso sido destruído).

Quando a sua irmã Prim é escolhida para entrar nos jogos, Katniss decide tomar o seu lugar.

Esta é a história de "Os Jogos da Fome". Não a história "base" ou o ponto de partida, mas o enredo completo. Basicamente Katniss oferece-se para entrar nos jogos no lugar da irmã, entra na arena e tudo o resto é um relato de como ela sobrevive através daquilo que aprendeu por ter de caçar nos bosques perto de casa para alimentar a família. Não digo que não tenha sido uma leitura... interessante, mas as reacções da personagem principal aos vários desafios que lhe apareceram à frente e basicamente a premissa inteira do livro não me pareceram muito... realistas ou credíveis; Katniss não me parece ter a resposta emocional correcta à violência e destruição que acontecem à sua volta. Quanto à premissa, como é que o povo não se revolta? Talvez haja uma explicação, mas não nos é fornecida, o que, confesso, me incomodou. Isto é, claro, fruto da narrativa na primeira pessoa que não nos permite ter informação sobre acontecimentos exteriores à vida do narrador.

No fundo, apesar do conceito ser original (ou mais ou menos, pelo que se diz, acho que o livro "Battle Royale" tem uma história semelhante e é anterior aos Jogos da Fome), penso que o livro sofre devido a um desenvolvimento muito incipiente quer das personagens quer do mundo onde decorre a acção. Digamos que a autora não nos deu "história de fundo" suficiente para termos uma ideia do porquê a sociedade de Panem ser como é. No entanto, sendo apenas o primeiro livro de uma trilogia talvez essa informação nos seja facultada em livros posteriores.

Acho também que a obra seria mais interessante e o potencial do enredo mais bem aproveitado se este livro não se dirigisse ao público juvenil mas a uma audiência mais adulta.

No geral, este livro não foi mau... mas também não foi assim nada de especial. Esperava mais, uma vez que tem tantas boas críticas. Mas considero que foi uma leitura mais envolvente do que outros livros juvenis que li este ano.

7 comentários:

cuidadocomodalmata disse...

Esta frase fez-me rir: "Katniss não me parece ter a resposta emocional correcta..." nem vou acabar de citar, porque só este bocadinho é que me interessa xD sabes slayra, a Katniss enganou-me bastante, eu sempre a achei um tanto fria e distante, mas gostei da personagem na mesma principalmente porque ela era despachada e corajosa e etc, quanto à frieza achei que lhe ia passar com a continuação da série. Infelizmente não. Só piora. Por isso, tens toda a razão, ela não é boa da...das emoções. xD

slayra disse...

Lol, a sério... bem, eu não me consegui explicar melhor quando escrevi a opinião, mas basicamente pareceu-me que ela não tinha assim muitos problemas em matar os outros concorrentes... talvez porque já estivesse habituada a ver os Jogos na TV, mas achei a sua falta de reluctância um pouco estranha. O_O Achei a personagem um pouco desligada mas penso que a autora estava a tentar que a Katniss parecesse... prática. :p

cuidadocomodalmata disse...

Não, mas exprimiste-te muito bem acredita, chegaste lá só com o primeiro livro da série, eu precisei dos 3 para chegar à mesma conclusão. Bem, se era para ela parecer...prática, funcionou, também este livro trata de uma história tão surreal que a gente nem consegue imaginar o que seria estar no lugar da Katniss, porque das duas uma, ou se fazia como ela, ou se saía logo de jogo. Eu consigo muito bem responder por mim, tenho a certeza absoluta que seria um daqueles concorrentes que marchavam logo no minuto em que começassem os jogos...*credo* xD

slayra disse...

Sim, toda a premissa parece muito pouco realista, não é? Quer dizer, a não ser que esta sociedade futurista tenha retrocedido muito em termos culturais, porque antigamente é que as pessoas se matavam umas às outras em jogos crueis (em Roma, por exemplo), como é que a população dos 12 distritos suporta o que acontece anualmente? O_O Eu não percebi essa.

De qualquer modo, estou como tu, acho que também não teria muito perfil para aquilo... mas mesmo assim, a Katniss podia eliminar um concorrente mas sentir-se... pior do que aquilo que se sente. :p

Ana Luisa Alves disse...

Discordo contigo nesta opinião. Uma criança que é exposta a negligência por parte dos pais, neste caso pela mãe de Katniss, não pode desenvolver-se normalmente. A meu ver, a frieza da personagem é justificada por isso. Não ter pais tornaria qualquer um mais duro/frio (ou morto).
Quando à premissa do enredo ser pouco provável, também é pouco provável que existam vampiros. XD

Cumps!
Alu

slayra disse...

Olá Ana! ^_^

Hmm... nunca tinha pensado nisso. Talvez tenhas razão.

O que eu quero dizer com 'premissa provável' é que qualquer autor de ficção especulativa (na minha humilde opinião) deve conseguir imprimir algum realismo ao seu mundo, mesmo que dele constem criaturas sobrenaturais ou que seja passado num futuro mais desenvolvido. Ou seja a base tem de ser reconhecível. Penso que a autora não conseguiu isso muito bem. A atitude da população de Panem não é realista. É da natureza das pessoas revoltarem-se mais cedo ou mais tarde contra este tipo de situações... se os jogos fossem algo recente ainda vá, mas já duravam há bastante tempo no começo do livro se me lembro correctamente. :/

Ana Luisa Alves disse...

Ah! Já percebi o que querias dizer.
Sim, concordo que em 70 anos poderia ter havido tempo para tal. No entanto, se pensarmos na forma como as coisas funcionam na história, o simples facto de não haver contacto entre os distritos, a pobreza de determinado distrito e a riqueza de outros, já para não falar de que as pessoas poderiam simplesmente habituar-se, tal como nós nos temos habituado a toda esta treta capitalista, talvez não fosse assim tão improvável.

Além disso, ao longo da história, a humanidade tem tido altos e baixos. Da Grécia antiga para a idade média houve uma involução tremenda...as grandes Guerras que marcaram o séc XX também não foram mais de que o regredir da sociedade. Quem nos garante a nós que no Futuro vamos estar melhores do agora?