30 dezembro 2010

Lost Girl (2010)

Título: Lost Girl
Com: Anna Silk, Kris Holden-Ried, Ksenia Solo
Ano: 2010
Nº de Episódios: 13
Género(s): Fantasia Urbana

Com o recente sucesso da fantasia contemporânea e/ou urbana nos Estados Unidos, que se estendeu posteriormente ao resto do mundo, tendo recentemente chegado a Portugal (com a publicação de inúmeras obras como Crepúsculo ou Marcada) não é de admirar que Lost Girl, a mais recente série de TV do género tenha adquirido inúmeros fans desde a sua estreia em Setembro deste ano.

A série segue Bo, uma jovem no mínimo invulgar que necessita de sugar energia de outros humanos para sobreviver. Bo não gosta particularmente de o fazer, uma vez que a experiência é sempre fatal para o humano de quem se alimenta, mas não tem escolha pois não pode mesmo passar sem essa energia. Sozinha, sem saber o que é, Bo torna-se essencialmente uma nómada, nunca morando muito tempo na mesma cidade para não despertar suspeitas. 

É quando decide salvar uma jovem de ser agredida (sugando a energia do agressor) que a vida de Bo muda para sempre. A jovem, Kenzi, segue-a para todo o lado e dois polícias que investigam a morte do agressor, encontram-lhes o rasto. Depressa Bo se vê emaranhada num mundo secreto - o dos Fae (ou fadas) - e descobre que é na realidade uma Succubus, e parte desse submundo. Aqueles pressionam-na para escolher alianças; Bo, como membro da raça Fae deve aliar-se com a Luz ou com as Trevas. Mas Bo não deseja trocar a sua liberdade por obediência e rejeita as alianças, tornando-se neutral. Muitos fae e humanos vêm ter com ela para pedir ajuda para resolver casos estranhos uma vez que ela pode movimentar-se em ambas as cortes. Bo e Kenzi resolvem diversos casos e ao mesmo tempo tentam descobrir mais sobre as origens de Bo enquanto navegam o perigoso mundo da política Fae.

Lost Girl é uma série bastante interessante. A história é típica no mundo da fantasia urbana: uma mulher com poderes especiais oferece os seus serviços como investigadora para mortais com problemas estranhos (que geralmente involvem as fadas) e fadas com conflitos. Este enredo poderia ter saído de cerca de 70% dos livros de fantasia urbana que já li, se não mais. O que me fez gostar tanto desta série é exactamente o facto de não se basear num livro (como "Sangue Fresco" e "Vampire Diaries" entre outras) o que faz com que o argumentista não esteja preso à obra original, tendo por isso liberdade para seguir a direcção que melhor lhe parecer.

Gostei imenso da história e das personagens (porque como já disse foi mais ou menos como "ver" um livro de fantasia urbana) e de todo o imaginário das fadas que me pareceu extremamente bem pesquisado. Achei um pouco estranho que as Fúrias, vampiros e succubus fossem considerados membros dos Fae, mas suponho que foi apenas licença criativa.

Uma série recomendada para os amantes de fantasia urbana.

2 comentários:

WhiteLady3 disse...

Parece interessante. Vou tentar manter a série debaixo de olho. Até parece que podia ser transmitida por cá e tal...

Ana C. Nunes disse...

Ainda só vi o primeiro episódio, mas gostei.
Também o que me cativou foi o cenário claramente de fantasia urbana e o facto de ser original (não baseado num livro), embora existam várias boas sagas literárias que poderiam ser adaptadas e que dariam grandes séries (se bem aproveitadas), mas é bom ver algo original de vez em quando.