15 abril 2011

Opinião: União (Ally Condie)

União de Ally Condie
Editora: Gailivro (2011)
Formato: Capa Mole | 296 páginas
Géneros: Lit. Juvenil, Ficção Científica, Romance
Sinopse (Wook.pt): "Cassia sempre confiou nas escolhas dos Funcionários. É um pequeno preço a pagar por uma vida longa, um emprego perfeito, um companheiro ideal. Quando o seu melhor amigo aparece no ecrã da União, Cassia tem a certeza absoluta de que ele é o certo… até ao momento em que vê um outro rosto aparecer no ecrã, por breves instantes, antes de este ficar negro. Agora Cassia vê-se confrontada com escolhas impossíveis: entre Xander e Ky, entre a única vida que conhece e um caminho que nunca ninguém ousou seguir - entre a perfeição e a paixão."
Aviso: Contém alguns SPOILERS
(A edição lida está no inglês original, mas os dados bibliográficos apresentados são da versão portuguesa para tornar mais fácil a identificação da obra)

Há já algum tempo que estava para ler "União", a obra de estreia da autora norte-americana Ally Condie. Gosto bastante de Distopias e este livro em particular foi muito falado por toda a blogosfera, apesar das  opiniões não terem sido unanimemente positivas: algumas pessoas gostaram e outras não, o que me levou a ter algum receio de pegar nele.
No entanto, acabei por comprar uma cópia e devo dizer que estou bastante satisfeita por ter decidido ignorar as críticas menos positivas (ou melhor qualquer crítica, na verdade) e formar a minha própria opinião. Foi uma leitura deveras agradável, embora não isenta de defeitos.

"União" está muito longe de ser um livro perfeito. Algumas interacções entre personagens pecam por falta de realismo (chegando mesmo a pender para o melodramático), a história arrasta-se um bocado e o próprio mundo onde a acção se passa é inconsistente em certos pontos - por exemplo, o facto de ninguém saber escrever à mão pareceu-me ridículo assim como o facto da heroína não ter qualquer tipo de criatividade que lhe permita sequer compor algumas palavras para um cartão para o avô.
Um dos piores aspectos deste livro para mim é que, deliberadamente, não há ligação com o passado. Creio que já disse isto antes numa opinião, mas para mim é essencial que numa Distopia nos forneçam uma explicação do porquê da sociedade ter evoluído para a forma como nos é descrita. Compreendo porque é que não nos é facultada a resposta de imediato uma vez a protagonista não sabe, mas penso que a autora poderia ter feito com que Cassia descobrisse as razões mais tarde. No entanto como isto é apenas um gosto pessoal, não deverá afectar a leitura de outras pessoas, se não tiverem esta curiosidade. :)

Defeitos à parte, "União" foi, como disse anteriormente, uma leitura agradável. Gostei bastante das personagens, especialmente de Ky Markham que foi muito bem desenvolvido. O mundo de Cassia e Ky é um clássico, por assim dizer e levará os leitores a questionar-se sobre a sociedade e se de facto não seria esta a vida ideal. 

Cassia está integrada num sistema em que se prezam a lógica e as regras. As regras são ditadas pela "Sociedade" (pelo que entendi, o Governo) e reguladas pelos seus Funcionários. Todos os cidadãos têm direito a casa, comida, roupa, educação e um emprego. Nesta Sociedade não se passa fome ou necessidade, não há descriminação e todos têm o mesmo. É uma sociedade igualitária, onde o Governo toma conta dos seus cidadãos e monitoriza todos os aspectos das suas vidas de modo a estas sejam longas e proveitosas.
Este sistema assenta na lógica das probabilidades e da matemática e é esta a ferramenta utilizada para decidir tudo desde que cidadão é escolhido para determinado trabalho, passando por quantas calorias cada um tem de ingerir até à escolha de quem deve casar com quem (com base nos genes e em preferências pessoais).

A maioria das pessoas está satisfeita com esta vida. E Cassia também, até ao dia em que, devido a um erro ela vê a fotografia de Ky Markham no seu portátil quando o seu par escolhido é Xander. Isto marca o início de uma viagem de descoberta na qual Cassia se começa a aperceber que o seu estilo de vida não lhe permite ter liberdade de escolha.

Apesar de não ser propriamente original, gostei imenso da descrição da sociedade e como disse, a única coisa de que senti falta foi de uma explicação para o facto de aquela se ter desenvolvido da maneira como é retratada. Gostei ainda do facto do livro não se centrar apenas no romance mas também na subtil alteração das percepções de Cassia em relação à sua vida.

"União" foi uma leitura rápida e interessante que apelará certamente a quem gosta de ficção científica juvenil e distopia. Não é nenhuma obra prima mas penso que cativará os seus leitores com as descrições da sociedade e as personagens bem formadas.   

Aqui fica o trailer da Gailivro:

9 comentários :

WhiteLady3 disse...

A descrição da sociedade lembrou-me um pouco a de Anarres, em Os Despojados.

slayra disse...

Lol, é possível. Também já li que é parecida com a do livro "The Giver". :P De qualquer modo até gostei. :D

WhiteLady3 disse...

Esse ainda não li, mas ser um computador a escolher locais de trabalho, todos terem direito a casa e emprego soou-me a algo familiar. Devias ler o livro da Le Guin. :P

jen7waters disse...

Mmm, parece engraçado. Para desanuviar de outras coisas mais "pesadas", ou menos boas.

p7 disse...

Por acaso estou a achar piada a esta nova vaga de livros YA de ficção científica/distopia. Enquanto que para um leitor experiente são bons para passar o tempo, para um jovem penso que podem ser uma maneira de se introduzir à FC mais "clássica". ;)

slayra disse...

Por acaso há uma ou duas obras de distopia para jovens adultos que são bastante boas, mas a maioria realmente é mesmo mais virada para os jovens (tem a tal componente de romance um bocado melodramático).

p7 disse...

Quais são? (As obras bastantes boas.) Já agora engrosso a minha wishlist. ^-^

slayra disse...

Eu gostei de Scott Westerfeld (série Uglies)... O_O

p7 disse...

Boa! Ando há imenso tempo para começar a ler essa série mas ainda não consegui lá chegar, não sei porquê. :S