09 Agosto 2011

Opinião: Harry Potter e a Pedra Filosofal

Editora: Editorial Presença (2000)
Formato: Capa Mole | 254 páginas
Géneros: Lit. Infanto-Juvenil, Fantasia, Fantasia Urbana
Descrição (Capa): "Quando naquela cinzenta manhã de terça-feira o senhor Dursley deparou, ao sair de casa, com uma gata malhada que estudava atentamente um mapa, mal poderia imaginar todos os acontecimentos estranhos e misteriosos que se estavam a preparar.
Mas, quando dez anos mais tarde, enigmáticas cartas endereçadas a Harry Potter, o sobrinho desprezado dos Dursleys, começam a chegar em catadupa lá a casa, é como se um raio atravessasse as suas mentes - o segredo que tão bem tinham guardado durante tanto tempo está prestes a ser revelado. O que poderá acontecer se Harry Potter descobrir que é um feiticeiro?
Esta é uma história mágica, recheada de fantasia e encantamento, de aventuras misteriosas e de perigos arrepiantes, de criaturas sobrenaturais e de surpresas divertidas, que está a enfeitiçar as crianças... e também a gente mais adulta, um pouco por todo o mundo.
"
Já perdi a conta ao número de vezes que li este livro. Deve ser um dos livros que reli mais vezes e sendo o primeiro de uma das minhas séries preferidas tem um lugar muito especial na minha prateleira.

Ainda me lembro bem de quando o meu pai nos apresentou (a mim e à minha irmã), um dia os quatro primeiros livros da série dizendo que estava a fazer furor em Portugal pelo que tinha decidido comprá-los para experimentar. Como naquela altura já gostava imenso de ler, atirei-me logo de cabeça e num instante fiquei envolvida no mundo e aventuras de Harry Potter, um rapaz que é muito mais do que parece à primeira vista.

Quando me foi proposta uma nova leitura da série devo confessar que fiquei de pé atrás. Fiquei com algum receio de reler os livros, especialmente os primeiros que são mais infantis. Fiquei com medo de não os apreciar tanto agora como os apreciei das primeiras vezes que os li uma vez que actualmente sou uma leitora diferente.

Mas não precisava de me ter preocupado. "Harry Potter e a Pedra Filosofal" conseguiu mais uma vez, a proeza de me cativar. Quando dei por mim tinha já acabado a leitura!
Certamente que notei o quão infantil este primeiro livro é, especialmente quando comparado com os mais recentes mas isso não tirou charme nenhum à leitura, pelo contrário! Achei que a autora fez um trabalho maravilhoso ao conseguir capturar quase na perfeição a mente e o comportamento de um jovem de 11 anos. Isso não é tão fácil como parece, algo que descobri ao ler outros livros infanto-juvenis em que as personagens se comportavam de forma muito adulta para a idade que tinham.

Rowling consegue criar um mundo mágico, mesmo neste primeiro livro que é claramente introdutório. São-nos apresentadas as personagens principais - Harry, Ron e Hermione - e todo um elenco de secundárias que terão mais ou menos importância no decorrer da série. A maneira como descobrimos Hogwarts, a Diagon-Al e todo o mundo escondido dos feiticeiros continua a ser genial!

É claro que a caracterização das personagens e a construção do mundo são bastante simplistas, mas isso não constitui uma falha grave se pensarmos na série como um todo (e será isso que farei em cada opinião, uma vez que já li todos os livros); estes aspectos melhoram muito ao longo dos livros tornando-se as personagens mais complexas à medida que crescem e o mundo mais intrincado à medida que a Harry vai fazendo mais descobertas acerca dele e também à medida que a sua percepção muda.

"Harry Potter e a Pedra Filosofal" é um primeiro livro extraordinário que nos transporta para um mundo encantado tão interessante que queremos imediatamente saber mais. As personagens são carismáticas e penso que este é, no geral, um óptimo livro de introdução. Uma obra que encantou milhões e que aguenta bastante bem o teste do tempo, penso eu. Um livro a manter na biblioteca, definitivamente!

Relido para a Leitura Conjunta Harry Potter

2 comentários :

Laura disse...

Harry Potter forever and ever. Ainda vou fazer uma tatuagem com a cara da Rowling aqui no braço (nem por isso).
Beijinhos :D

WhiteLady3 disse...

Só posso concordar com a opinião. Temia não gostar, por ser mais crescida e tê-lo relido há coisa de 1 ou 2 anos, mas este livro parece ter o condão de me fazer sentir uma criança de cada vez que o leio. E fico sempre maravilhada, como se fosse a primeira vez que estivesse a ler a história.

Já no que toca a tradução, quanto a essa não fiquei maravilhada, não... muito pelo contrário. :/