01 outubro 2013

Opinião: O Evangelho de Sangue (James Rollins)

O Evangelho de Sangue by James Rollins
Editora: Bertrand Editores (2013)
Formato: Capa mole | 496 páginas
Género: Mistério/Thriller, Fantasia Urbana
Descrição: "Um terramoto em Massada, Israel, mata centenas de pessoas e põe a descoberto um túmulo aculto no coração da montanha. Um trio de investigadores - o sargento Jordan Stone, especialista em medicina forense, o padre Rhun Korza, sacerdote do Vaticano e a Dra. Erin Granger, uma arqueóloga brilhante mas desencantada - é enviado para explorar aquela descoberta macabra, um templo subterrâneo que encerra o cadáver crucificado de uma rapariga mumificada. 
Mas um violento ataque ao local põe os três em fuga, lançando-os numa corrida para recuperarem aquilo que outrora foi preservado no sarcófago do túmulo: um livro que se diz ter sido escrito pelo próprio Jesus Cristo e que se crê conter os segredos da Sua divindade. O inimigo que os persegue é ímpar, uma força do mal muito antiga controlada por um líder de ambições e astúcia incalculáveis. 
Entre sepulturas delapidadas e igrejas magníficas, Erin e os dois companheiros terão de enfrentar um passado que remonta a milhares de anos, a um tempo em que criaturas demoníacas percorriam os cantos mais negros do mundo, ao momento em que Jesus fez uma oferta milagrosa, um pacto de salvação com aqueles que estavam condenados à eternidade. 
Porque usam os padres católicos cruzes ao peito? Porque fazem voto de celibato? Porque escondem os monges o rosto com capuzes? E porque insiste o catolicismo que durante a missa o vinho se transforma no sangue de Cristo? As respostas encontram-se todas numa seita secreta do Vaticano, cuja existência é apenas segredada, mas que Rembrandt pintou e deu a conhecer ao mundo, uma ordem obscura conhecida como os Sanguinistas."
Aviso: Alguns SPOILERS (mas nada de especial)

"O Evangelho de Sangue" é o primeiro livro de uma série intitulada The Order of the Sanguines. Quando me deparei com este livro na Fnac, senti-me bastante curiosa com a premissa, uma vez que metia arqueólogos, aventuras e um enredo que me fez lembrar um livro que li há muito tempo atrás e do qual gostei: "O Corpo" de Richard Ben Sapir.

Assim, apesar dos Thrillers não serem, definitivamente, a minha praia (ou onda), decidi experimentar ler esta obra de um autor consagrado dentro do género.

Bem, não foi tão mau como podia ter sido (read: Angelologia), mas também não vai entrar para o meu top de leituras de 2013. Foi uma leitura... mediana?

A Dra. Erin Granger está numa escavação em Israel, quando é quase literalmente raptada por militares. Estes levam-na para Massada, onde um terramoto causou dezenas de vítimas e pôs a descoberto uma cripta antiga. Também no local estão o sargento americano Jordan Stone e um padre enviado pelo Vaticano. Os três descem ao túmulo para investigar, mas antes de poderem concluir a investigação são atacados por pessoas estranhas (e não autorizadas a estar no local, claro). E assim começa a jornada deste trio (sim, há uma espécie de triângulo amoroso) para encontrar o elusivo Evangelho de Sangue, que se diz ter sido escrito pelo próprio Jesus Cristo.

Forçados a investigar em conjunto devido a uma profecia, os nossos três heróis viajam por toda a Europa, encontrando uma ou outra figura histórica pelo caminho e inimigos bastante cliché.

Como referi acima, esta leitura foi... mediana. O enredo não se distingue propriamente pela sua originalidade, sendo este "Evangelho de Sangue", uma obra estruturada de forma bastante usual para este tipo de livros: temos os heróis, temos a demanda (com um prémio muito valioso e que poderá mudar a história da Humanidade) e temos os vilões. Há lutas, há investigação e algum "info-dump" sobre a história da Antiguidade e algumas figuras históricas. Não existem grandes surpresas e a história culmina com uma "grande batalha" entre os heróis e os vilões, com o já esperado "cliffhanger" que ligará este livro ao segundo da série (devo dizer que o cliffhanger me pareceu um bocado despropositado e não muito lógico, mas pronto).

As personagens são também bastante típicas deste género de livros; a Erin é o cérebro e os dois homens são o músculo. Nenhuma das personagens sofre grande desenvolvimento, apesar de os autores nos contarem um pouco sobre o passado de cada um.

No geral, uma leitura... mediana. Não foi propriamente doloroso de se ler, mas não é assim muito original ou envolvente. O ritmo é regular, o que faz com que o leitor não se sinta aborrecido, mas sinceramente não há nada neste livro que o torne verdadeiramente especial. Recomendado para fãs de Thrillers com uma pitada de sobrenatural.
View all my reviews

Sem comentários :