25 agosto 2014

Opinião: Furies of Calderon (Jim Butcher)

Furies of Calderon de Jim Butcher
Editora: Ace (2005)
Formato: Capa mole/bolso | 504 páginas
Géneros: Fantasia
Sinopse.

Sou uma grande fã dos The Dresden Files de Jim Butcher, uma série de fantasia urbana sobre um feiticeiro chamado Harry Dresden que se mete nas maiores complicações possíveis. A série já vai em 15 livros e continua forte, algo que é bastante raro, na minha humilde opinião.

Por isso, porque não experimentar a série de fantasia épica deste autor? E ainda bem que experimentei! Jim Butcher não me desiludiu! Não leio muita fantasia épica, mas desde a trilogia Mistborn que não gostava tanto de um livro do género!

Alera é uma terra fantástica onde os habitantes se unem às fúrias, criaturas elementais que controlam a água, o fogo, o ar, a terra, a madeira e o metal. Qualquer pessoa pode unir-se a uma fúria, mas nem todos treinam para serem Cavaleiros e servirem no exército do First Lord (o imperador de Alera) ou dos High Lords (efetivamente, a nobreza).

Tavi, um jovem de 15 anos, parece ser a única pessoa no mundo sem talento para se unir a uma fúria e controlar um dos elementos. Quando os selvagens chamados Marat, que comem humanos e se unem a totens (animais) para ganharem força invadem o Vale de Calderon, onde as fúrias mais fortes e destruidoras de Alera residem e onde as pessoas têm as vidas mais duras, Tavi terá de se fazer valer da sua inteligência para tentar defender a sua casa e mesmo, possivelmente, o reino.

Ao mesmo tempo Amara, uma jovem Cursor unida a uma fúria do ar, tem de tentar deslindar uma possível conspiração contra o First Lord em que o seu mentor está envolvido.

Existem várias coisas (interligadas) a acontecer em Furies of Calderon. Temos uma conspiração para destronar o First Lord, uma invasão eminente (e secreta) dos Marat às terras de Alera e ainda as tensões cada vez mais altas entre os fazendeiros do Vale de Calderon.

No entanto, Jim Butcher consegue tecer uma história envolvente e coerente com estes "materiais" e dá-nos ainda uma visão geral do mundo de Alera e do seu sistema político, que tem algumas (escassas) parecenças com a antiga Roma imperial (nem que seja só nos nomes e nalguns títulos). Tudo isto sem criar confusão, sem ter tempos mortos e sem abrandar o ritmo.

Furies of Calderon foi uma leitura compulsiva. O mundo criado pelo autor intrigou-me, especialmente as fúrias e todas as outras raças (entre elas os Marat) que existem para além dos humanos. Os protagonistas Tavi, Amara, Bernard e Kitai são interessantes e diversificados.

No geral, uma leitura interessante. Seguirei esta série com gosto.

Sem comentários: