05 dezembro 2014

Opinião: Inside Out (Maria V. Snyder)

Editora: Mira Ink (2011)
Formato: Capa mole | 315 páginas
Géneros: Ficção Científica, Distopia

“Inside Out” de Maria V. Snyder é o meu primeiro “contacto” com a autora após vários anos e depois de ler dois dos três livros da trilogia “Poison”. Nunca cheguei a ler o terceiro, porque na altura várias pessoas cuja opinião respeito bastante ficaram muito desiludidas com esse livro, o que me fez perder a vontade de ler livros da autora durante bastante tempo.

Mas tinha lá este e como estava toda lançada nas distopias, decidi ler.

A sociedade de Trella está dividida não apenas em níveis, mas também em classes. A classe “trabalhadora” (scrubs) vive nos dois níveis mais baixos, em camaratas e com cantinas, com pouca privacidade e muito poucas esperanças de uma vida melhor. A classe mais beneficiada (os uppers) vive nos dois níveis superiores e tem mais conforto, trabalhos mais especializados e o controlo do governo. Trella é uma scrub, cujo trabalho é limpar as ventilações e canos desta sociedade subterrânea; como consequência ela consegue ir a todo o lado.

É por isso chamada de “Rainha da canalização” e é por isso que quando o seu amigo Cogan lhe pede que ajude um homem a recuperar discos escondidos que revelam a localização do lendário “Exterior”, Trella vai ver-se envolvida numa revolução da qual nunca quis fazer parte.

Foi uma leitura algo… genérica. O mundo, as personagens e a progressão da história são bastante normais e pouco surpreendentes neste tipo de género. Para falar a verdade, o final foi bastante surpreendente e fui apanhada de surpresa, mas de resto… a sociedade desigual, a corrupção de um propósito há muito definido e perdido nas brumas do tempo e uma história mítica que serve de motivação para um grupo de rebeldes… tudo isto me pareceu bastante trivial.

Também não gostei grandemente das personagens, que me pareceram estar mal desenvolvidas e ter pouca personalidade. O romance pareceu-me irrealista e inverosímil. E sim, sei que estou a ser redundante, mas é que não senti mesmo qualquer ligação entre as personagens.

No geral, uma leitura bastante mediana. Não foi má, mas também não foi propriamente original e sinceramente, para além do final, nada do que aconteceu me puxou assim muito para a história. Certamente que há um certo paralelismo com a “luta de classes” do século XX, mas isso é uma correlação que pode ser encontrada em muitas distopias. Nada de especial, mas o final vale bastante porque lá está, foi a única parte surpreendente do livro.

2 comentários:

Pedacinho Literário disse...

Ah que ando com este livro debaixo de olhos há imenso tempo (muito devido à capa maravilhosa) mas, epah, esta tua opinião deixou-me assim um bocadinho de pé atrás... Tendo em conta todas as distopias que já li, estou sempre à procura do ‘próximo universo que me surpreenda’ e se esse não é o caso deste Inside Out, então não sei se quererei mesmo apostar em mais uma leitura mediana com uma história demasiado ‘normal’.

slayra disse...

Pois, achei que era um bocado desenxabido. Mas o final apanhou-me realmente de surpresa pelo que se calhar vale a pena. :/