23 dezembro 2014

Opinião: My Soul to Keep (Rachel Vincent)

Editora: Mira Ink (2011)
Formato: Capa mole | 378 páginas
Géneros: Fantasia Urbana, Lit. Juvenil/YA

O terceiro livro da série “Soul Screamers” traz-nos mais conflito e algum melodrama.

A vida de Kaylee Cavanaugh deveria consistir em festas, namoros e, claro, na escola. Mas o facto de ser uma bean sidhe não ajuda e Kaylee está sempre metida em sarilhos. E esta festa não vai ser uma exceção.

Kaylee e o namorado Nash vão a uma festa na casa de um amigo quando se deparam com algo surreal… e perigoso. Alguém anda a traficar “Sopro de demónio”, uma substância gasosa originária do Netherworld. Na verdade, tratam-se das exalações dos hellions. O “Sopro do demónio” é altamente viciante e pode ser fatal para os humanos, levando primeiro à loucura e depois à morte. Com os amigos de Nash envolvidos, Kaylee e o namorado não têm escolha senão tentar perceber como a substância é transportada para o seu mundo, uma vez que os hellions não podem atravessar.

Mas um deles tem um segredo que pode acabar com a sua relação apaixonada.

“My Soul to Keep” foi uma estreia e não uma releitura. Não tinha chegado a lê-lo anteriormente, devido a… coisas (nomeadamente, aos atrasos dos correios e do Book Depository), por isso soube-me bem perceber como a situação tinha mudado tanto no 4º livro.

Neste livro temos algum desenvolvimento do mundo, sim, mas penso que o seu foco são as relações entre Kaylee e as outras personagens da trama, especialmente Nash, o seu namorado. Nash é o primeiro namorado de Kaylee e esta sente-se nas nuvens, mas vai perceber neste livro que as pessoas têm defeitos e que Nash não é tão perfeito como imaginava. O que é fixe e tal. Mas… na verdade a Kaylee é um contraste tão grande (ou seja, é uma grande Mary Sue, super perfeita e sem defeitos… passo a redundância), que as imperfeições de Nash parecem ao mesmo tempo monstruosas e… falsas. Isto faz sentido? O que quero dizer é que o facto de Kaylee não ser uma personagem muito realista (é demasiado perfeita, todos gostam dela, etc.) faz com que o leitor acabe por também não levar a sério o resto das personagens.

Sinceramente, apesar de gostar desta série, esta é uma espécie de “prazer proibido” ou “guilty pleasure”. A caracterização é irregular e a história não tem absolutamente nada de extraordinário, mas a forma como Vincent escreve envolve-nos em todo aquele drama e carga emocional de tal forma que não conseguimos parar de ler!

Assim, no geral, mais um livro de leitura rápida e agradável. Bastante mais melodramático e intenso do que os predecessores, mas bastante fraco ao nível da caracterização da sua personagem principal, que parece demasiado perfeita para ser real. A história também não se focou assim muito no tráfego da droga sobrenatural, como esperava… outros acontecimentos tomaram mais tempo de antena e tive pena. Recomendado para os fãs da série.


Outros livros da série:
  1. My Soul to Take
  2. My Soul to Save

Sem comentários :