21 março 2015

Opinião: Ligeiramente Perverso (Mary Balogh)

Editora: ASA (2014)
Formato: Capa mole | 368 páginas
Géneros: Romance histórico

Há livros, dos quais gostamos apesar dos muitos defeitos que obviamente têm. Ligeiramente Perverso, o segundo livro da Saga Bedwyn, da autoria de Mary Balogh, é um desses livros (para mim, bem entendido).

Judith Law é filha de um pastor anglicano e a sua família tem alguma classe, embora não possa nunca ter a pretensão de se dar com a alta sociedade. Mas Banwell, o único rapaz de uma prole de cinco irmãos, tem outras ideias e gasta quase todas as poupanças da família para tentar alcançar o estilo de vida dos seus amigos mais ricos. 

Como consequência, Judith é enviada para casa da irmã do pai, Lady Effingham, que fez um bom casamento e é esposa de um baronete. Será uma "parente pobre", pouco mais do que uma criada a quem a família não paga. Qualquer oportunidade de casar ou de ter uma vida independente desaparece para Judith, com esta reviravolta.

Mas, durante o caminho, a diligência onde Judith viajava sofre um acidente e quando um desconhecido que ia a passar a convida para ir com ele no seu cavalo pedir ajuda para os outros viajantes, ela aceita. Porque o seu futuro iria ser para sempre cinzento, Judith decide que esta aventura será aquilo que a susterá durante o resto da sua vida. 

O desconhecido é Rannulf Bedwyn, originário de uma das melhores famílias de um reino, irmão de um duque e bastante rico. 

Os dois acabam numa estalagem e quando Ralf, atraído por Judith, a convida para partilhar a sua cama, ela aceita (aventura de uma vida e tudo o mais). Ambos utilizam identidades falsas e enquanto Judith pensa que ele é um cavalheiro de classe mais baixa ele pensa que ela é Claire, uma atriz.

No entanto, os seus destinos voltam a cruzar-se quando Rannulf chega à propriedade da sua avó que é mesmo ao lado da dos Effington. Com Rannulf a cortejar a filha dos Effington, prima de Judith, esta última pergunta-se o que poderá acontecer e se poderá ser descoberta.

Como disse, há livros de que gostamos contra todo o senso e diverti-me imenso a ler Ligeiramente Perverso. Oh, o livro tem imensos problemas, desde o facto de ser previsível nalguns aspetos (que não o romance, porque aí estes livros são sempre previsíveis) ao facto da atitude inicial da heroína (perder a virgindade com um homem sem medo das consequências) não encaixar nem com a personalidade que demonstra mais tarde nem com a época.

Mas, mesmo assim gostei. Talvez tenha sido o facto de este livro ser uma mistura da história da Cinderella, com uma tia e uma prima más que fazem tudo para que a Judith não seja notada, com Orgulho e Preconceito, uma vez que o herói apanha uma valente descompostura da heroína quando pela primeira vez lhe propõe casamento. E talvez tenham sido também as duas avós da história, a de Rannulf e a de Judith (especialmente a de Judith), que são personagens fofinhas e verdadeiramente engraçadas. E, claro, a escrita da autora ajuda.

O romance não foi particularmente realista e o livro não é particularmente sensual (apesar da capa e do título), mas houve mais aspetos positivos do que negativos.

No geral, uma leitura rápida e agradável. Houve alguns aspetos que podiam ter sido aprofundados, como as inseguranças de Judith e a personagem de Rannulf em geral, que nunca ganhou verdadeiramente vida. As discrepâncias relativamente ao período também poderiam ter sido evitadas, mas não constituíram uma falha grave, se não se estiver à espera de um grande rigor histórico. O romance, poderia ter sido mais verosímil. Apesar de tudo isto... até nem desgostei. 


Outros livros da série:
  1. Ligeiramente Casados

2 comentários:

jen7waters disse...

A minha prima impingiu-me estes livros, o primeiro e o segundo acho, e concordo contigo, há problemas com a história, mas depois há ali qualquer coisa que faz com que a opinião no geral seja positiva.
Honestamente acho que autora consegue contar uma boa história, com personagens interessantes, mas depois falha redondamente em certos aspectos, especialmente nas cenas mais quentes. Se bem me lembro quando li este até me ri porque aquela cena deles logo no início (é numa estalagem, certo?) é tão surreal. Pela situação em si, e também porque nem parece ser a primeira vez da moça. Literalmente WTF is hapenning?? Isto é a mesma heroína da página anterior? xD Mas depois a parte final até foi bem gira.

slayra disse...

É mesmo! Uma pessoa vai revirando os olhos mas no fim pensa "epá, isto até foi giro". :) Eu vou ler o resto da série, estou com curiosidade.