27 novembro 2008

Opinião: Nightwalker (Jocelynn Drake)

Editora: Eos (2008)
Formato: Capa mole/bolso | 370 páginas
Géneros: Fantasia Urbana
Sinopse.

Mira é uma "nightwalker"... ou seja, Mira é basicamente uma vampira, mas tem um nome mais exótico. Ou não.

Ahem. Recomeçando. Mira é uma vampira com precisamente 603 anos de idade. Mas Mira não é uma vampira qualquer... não! Mira tem um estranho poder que impõe respeito no meio da sua comunidade: ela não só pode controlar o fogo, como é imune a esta forma tão tradicional de matar vampiros. É por isso que há séculos que Mira é a vampira-chefe da sua comunidade em Savannah, USA.

Mas a sua paz está prestes a ser perturbada pela chegada do famoso caçador de vampiros Danaus... que possui os seus próprios poderes tenebrosos.
E aqui temos mais um livro de fantasia urbana. Passa-se no século XXI, em locais que todos nós reconhecemos, mas inclui criaturas sobrenaturais como vampiros, lobisomens e fadas.

É claro que neste caso, tal como Filipe Faria (os que leram a obra deste autor português sabem do que estou a falar), a autora decidiu dar nomes diferentes a estes seres na esperança de os tornar mais originais. Os vampiros chamam-se a si próprios "nightwalkers" e as fadas não são realmente fadas mas sim os "naturi", ou os "guardiões da natureza". E, numa inversão de papeis, os "naturi" são os vilões (que querem destruir a Humanidade, yada, yada) enquanto os vampiros são os bons da fita... bem, talvez não seja bem uma inversão de papeis; afinal os vampiros são sempre os bons da fita na literatura de hoje em dia.

Em "Nightwalker" conhecemos Mira, uma vampira de 600 anos com o poder de manipular o fogo... o que normalmente lhe concederia uma imensa vantagem sobre todos os outros vampiros do planeta, que segundo as lendas ardem que nem galhos secos.
No entanto, ao contrário do esperado, Mira não conquistou a sua raça inteira e tem mesmo medo de alguns vampiros mais velhos, os "Antigos".

No começo da história, Mira persegue silenciosamente o caçador Danaus com o intuito de o matar. Mas depois de se conhecerem, ela percebe que ele tem informações sobre os "naturi" (ou "fadas", mas não são mesmo fadas só se parecem com fadas em todos os aspectos) e que estes últimos são mais perigosos do que um único caçador. E assim, Danaus e Mira unem forças para começarem uma luta contra as fadas, perdão "naturi" que promete durar vários livros... para nossa infelicidade.

Uma vez que me debrucei longamente sobre a história, acho que vou acabar esta "review" com uma breve enumeração das características negativas deste livro. Primeiro, a história é pouco original; vampiro junta-se a caçador de vampiro que entretanto percebe que vampiro não é tão mau como parece e ambos têm que enfrentar um inimigo mais poderoso e mais mauzão do que o vampiro. Segundo... a sinopse prometia que a história se desenrolava em locais exóticos como o Egipto... mas não é verdade os protagonistas só estão no Egipto durante umas vinte páginas. Terceiro, a escrita não é cativante o suficiente para compensar as outras faltas.

E quarto, as personagens são demasiado banais: a heroína e heroi torturados e poderosos, o amigo que se transforma em traidor, os maus da fita previsíveis (incluíndo, e não estou a inventar, o riso maléfico e a pala num dos olhos) para não falar da história inacabada que sabe a pouco, especialmente se não tencionarmos ler mais nenhum livro da série.

Apesar de tudo, "Nightwalker" tem algum valor em termos de entretenimento. Não é uma leitura má de todo para os amantes de fantasia urbana (que, suponho, devem ser poucos aqui na terra de PT, dada a quantidade de literatura do género traduzida para o português. Mas pronto).

Sem comentários: