09 novembro 2014

Opinião: Deslumbrante (Madeline Hunter)

Deslumbrante de Madeline Hunter
Editora: Asa (2013)
Formato: Capa mole | 320 páginas
Géneros: Romance histórico
Sinopse.

Já há algum tempo que não leio um livro de Madeline Hunter, porque o primeiro que li dela não me encantou assim muito. Mas o tempo apaga muita coisa, e sendo Hunter uma autora tão popular entre o público português, decidi que talvez tivesse apenas pegado no livro errado. 

Infelizmente, não foi o caso. 

"Deslumbrante" é o primeiro livro da série "As Flores Mais Raras" e narra a história de Audrianna (que raio de nomes que as pessoas inventam para as suas personagens), uma jovem caída em desgraça (juntamente com a família), após o suicídio do seu pai, que era, aparentemente, um homem corrupto que deixou que pólvora má fosse enviada para a frente de batalha na Guerra Napoleónica. 

Audrianna não acredita que o seu pai seja culpado, claro. É por isso que vai encontrar-se sozinha, com um personagem envolto em mistério, o Dominó, numa estalagem, depois de este último ter posto um anúncio no jornal dizendo que queria falar com o pai de Audrianna (sou só eu que penso que só um grande idiota não se aperceberia de que esta pessoa só pode ter más intenções). Ahem. 

Sebastian, irmão de um marquês e membro da Casa dos Comuns (what?), foi o investigador principal. E também decide ir apanhar o Dominó no ato. Mas depois encontra Audrianna e bam! Dá-lhe um choco, because... reasons. 

E assim começa uma história de traições, pólvora, marqueses feridos na guerra e um homem misterioso (que não é Sebastian). 

Dá ideia que Madeline Hunter não sabe bem o que quer escrever. Se um mistério histórico, se um romance. E como tal, todas as vertentes deste livro sofrem: o mistério é insípido, as personagens são irritantes e o romance é inverosímil. E mais, "(...) reading this translated to Portuguese, was the nail in the coffin... Who hires this people?" (tive mesmo de citar a Susana, porque não consigo encontrar frase mais apta para descrever o que senti ao ler isto em português. A prosa... parece ter sido alvo de alguma mutilação neste livro, as cenas de sexo eram a coisa mais confusa que já li. Não me lembro de Madeline Hunter as escrever assim. 

Algumas das personagens secundárias pareceram-me interessantes (as amigas de Audrianna, por exemplo e mesmo o marquês), mas as principais foram extremamente aborrecidas e o "insta-love" não ajudou. Acho que é bastante triste quando as personagens secundárias nos interessam mais do que as principais. Entre os protagonistas não havia qualquer química que pudesse interessar o leitor (ou esta leitora, pelo menos); e muito menos houve qualquer desenvolvimento das personagens. 

Enfim, por tudo isto tenho a dizer que, no geral, esta leitura ficou aquém das expectativas. E podia dizer mais, mas sinceramente não me apetece dizer mais sobre um livro do qual não gostei assim tanto como isso.


Mais obras da autora no blogue:

Sem comentários: