30 abril 2012

Opinião: Glass Houses (Rachel Caine)

Glass Houses de Rachel Caine
Editora: NAL Jam (2006)
Formato: Capa Mole/ Bolso | 239 páginas
Géneros: Fantasia Urbana, Lit. Juvenil
Descrição (GR): "College freshman Claire Danvers has had enough of her nightmarish dorm situation. When Claire heads off-campus, the imposing old house where she finds a room may not be much better. Her new roommates don't show many signs of life, but they'll have Claire's back when the town's deepest secrets come crawling out, hungry for fresh blood."
Glass Houses é o primeiro livro de mais uma série juvenil sobre vampiros que, à semelhança das séries "Casa da Noite" e "Academia de Vampiros" faz furor entre os amantes da fantasia urbana para os mais novos. Aliás é por isso que esta opinião está em português.

Claire Danvers tem 16 anos e acaba de ser admitida na Universidade de Morganville, no Texas. Isto claro, faz com que Claire seja uma pária social, uma vez que nesta universidade o dinheiro fala mais alto do que a inteligência... e as socialites do sítio não vêem com bons olhos a entrada de uma rapariga mais nova e mais esperta do que elas. 

Quando Claire se farta de ser vítima de bullying e foge do dormitório da universidade acaba na Casa de Vidro uma moradia antiga e misteriosa com estranhos residentes - um rapaz que só aparece à noite, um outro rapaz rezingão e uma rapariga gótica - que aceitam o seu pedido de ajuda e lhe dão guarida. 

Mas acontece há algo ainda mais bizarro do que os moradores da Casa de Vidro na cidade de Morganville; como Claire depressa descobre, esta cidade é governada das sombras por seres que ela julgava serem apenas mito... e sendo de fora, Claire não está protegida o que faz dela um alvo fácil. 

Ao início não gostei muito deste livro. Achei-o cheio de clichés, com personagens pouco interessantes e um enredo muito superficial e sobre-utilizado. Vampiros e tudo isso.

Os protagonistas: Claire, Eve, Michael e Shane, são também bastante estereotipados para este tipo de livros e não me puxaram para a leitura. Os vampiros, as suas capacidades e fraquezas não são explicados (em parte porque as personagens pouco sabem), ou seja são personagens muito 'uni-dimensionais'. 

No entanto, os pequenos elementos de originalidade como o facto dos vampiros mandarem na cidade e as formas como sobrevivem e mantém tudo em segredo fizeram-me continuar a ler. 

Devo dizer que apesar da história ter promessa, este primeiro livro não a desenvolveu grandemente, sendo que uma boa parte do mesmo (que até é pequeno) foi dedicado a romances juvenis, instâncias de bullying e descrições de rapazes atraentes. Mas não posso negar que me parece que a autora tem mais para contar, uma história mais elaborada para tecer e foi isso que me fez passar por todas estas cenas tão habituais em livros juvenis.  

No geral, uma obra introdutória, com pouco conteúdo (e um final aberto, o que confesso me irritou - até porque é uma constante nos livros da autora) e com um mundo mal desenvolvido mas que, nos últimos capítulos mostra promessa. Recomendado para leitores que gostam das séries "Casa da Noite" e "Academia de Vampiros".



Sem comentários :