17 dezembro 2012

Opinião: Bruxa de elite (Kim Harrison)

Bruxa de elite by Kim Harrison
Editora: Saída de Emergência (2012)
Encadernação: Capa mole | 496 páginas
Géneros: Fantasia Urbana
Descrição (GR): "As coisas maléficas que assombram as noites de Cincinnati desprezam a bruxa e caçadora de recompensas Rachel Morgan. A sua reputação de praticante de magia negra começa a fazer virar as cabeças de humanos e mortos-vivos, determinados a possuí-la, dormir com ela e matá-la… não necessariamente por essa ordem. E como se tudo isso não bastasse, um amante mortal que abandonara Rachel regressou, assombrado pelo seu passado secreto. E há quem queira deitar as mãos a algo que se encontra na poss dele: animais selvagens dispostos a destruir Hollows e todos os seus habitantes, se necessário.
Obrigada a manter-se escondida ou a sofrer para sempre a ira de um demónio vingativo, Rachel deve, ainda assim, agir rapidamente. Pois pela primeira vez, em vários milénios, matilhas de estranhas criaturas estão a unir-se, preparadas para destruir e dominar. De súbito, há algo mais em jogo do que a alma de Rachel."
(Nota: a edição lida foi a inglesa, mas apresentam-se os dados da portuguesa)

Já há algum tempo que tenho os livros da Rachel Morgan lá para casa, à espera de serem lidos e como até estou numa de ler fantasia urbana, decidi adiantar as minhas leituras nesta série.

Já li os primeiros três livros há algum tempo (anos) por isso confesso que não me lembrava bem de tudo, excepto em termos muito gerais. Que a Rachel era bruxa, que tinha um parceiro pixie chamado Jenks e que vivia com uma vampira chamada Ivy. Lembrava-me vagamente de ter gostado dos livros.

Mas, enfim, já muitos livros e séries de fantasia urbana me passaram pelas mãos entretanto pelo que ler este quarto livro da série "Hollows" foi... estranho. O género de escrita, o desenvolvimento da história e as personagens fizeram-me alguma confusão agora, em 2012, depois de ter lido tantas outras séries. Não gostei tanto deste livro como me lembro de gostar dos anteriores. Hoje, só para ser diferente, vou escrever esta opinião por tópicos, uma vez que tenho agora sentimentos contraditórios sobre esta série e isto ajuda a organizar as ideias. 

1. Sobre o enredo: não me pareceu especialmente elaborado. O livro (na versão inglesa) tem 510 páginas mas muito pouco acontece. Há demasiado drama (geralmente relacionado com sentimentos e relações) que ocupa grandes porções do livro e constitui a história secundária que se desenrola durante os tempos "mortos". Como em grande parte do livro as personagens estão à espera que algo aconteça ou a fazer tempo, este livro é especialmente dramático. Para aplicar um ditado tuga à situação, o enredo deste livro tem "muita parra e pouca uva".

2. Sobre as personagens: há algum desenvolvimento mas mais uma vez, a personagem menos interessante é a Rachel. Algum do diálogo parece ser um bocado desconexo. O Jenks salvou este livro, sendo uma personagem engraçada e ao mesmo tempo com alguma profundidade.

3. Construção do mundo: algo confusa. Os "inderlanders" (e não sei o termo em português, porque tenho os livros em inglês) parecem vir todos de outra dimensão, incluindo os demónios... então o é essa dimensão? E existirão anjos? É que o conceito de "solo sagrado" e de "alma" existem, mas os anjos não parecem fazer parte da mesma dimensão dos Weres, vampiros, demónios ou bruxas. 

No geral, é uma série medianamente interessante. Teria gostado mais dela se não tivesse lido tanta fantasia urbana com premissas mais imaginativas, mas tendo em conta que Harrison foi uma das primeiras a escrever neste género (ou pelo menos tem uma das séries mais antigas), acho que o enredo um pouco cliché é desculpável, até certo ponto. Estou interessada em ler mais.

2 comentários:

Cláudia disse...

Olá! Deixei-te um selo aqui http://umabibliotecaemconstrucao.blogspot.pt/2012/12/selo-campanha-de-incentivo-leitura.html

=)*

jen7waters disse...

http://cuidadocomodalmata.wordpress.com/2012/12/19/selo-campanha-de-incentivo-a-leitura

*foge*