06 maio 2013

Opinião: The Immortal Rules (Julie Kagawa)

The Immortal Rules by Julie Kagawa
Editora: Harlequin Teen (2012)
Formato: Capa dura | 485 páginas
Géneros: Fantasia Urbana, Ficção Científica
Descrição (GR): "To survive in a ruined world, she must embrace the darkness…
Allison Sekemoto survives in the Fringe, the outermost circle of a walled-in city. By day, she and her crew scavenge for food. By night, any one of them could be eaten. Some days, all that drives Allie is her hatred of them—the vampires who keep humans as blood cattle. Until the night Allie herself dies and becomes one of the monsters.
Forced to flee her city, Allie must pass for human as she joins a ragged group of pilgrims seeking a legend—a place that might have a cure for the disease that killed off most of civilization and created the rabids, the bloodthirsty creatures who threaten human and vampire alike. And soon Allie will have to decide what and who is worth dying for…again.
Enter Julie Kagawa's dark and twisted world as an unforgettable journey begins."
AVISO: Spoilers
Há livros que são intrinsecamente bons; não me refiro a livros assim classificados pelas sumidades da literatura ou por quem atribui o Prémio Nobel da Literatura ou o Pulitzer... mas sim segundo os leitores. Há livros que possuem todas as qualidades para integrarem aquela prateleira dos "favoritos" porque simplesmente contêm todos os 'ingredientes' necessários para nos proporcionar bons momentos.

The Immortal Rules, de Julie Kagawa é, para mim, um desses livros. Não sei se gostei dele o suficiente para o integrar na minha prateleira dos "favoritos", mas este é definitivamente um livro que li com muito gosto e que reúne alguns dos elementos sobre os quais mais gosto de ler: vampiros, sociedades distópicas e elementos sobrenaturais.

Julie Kagawa é uma autora de fantasia urbana juvenil bem conhecida nos Estados Unidos. A sua série, The Iron Fey, é bastante popular e interessante (na minha opinião), por misturar mitos e criaturas antigos com elementos modernos (talvez até seja um pouco ficção científica, suponho? Não sei, percebo pouco de classificações deste género).

The Immortal Rules segue a história de Allison Sekemoto, uma jovem de dezassete anos que vive uma existência miserável. Ela vive numa cidade controlada por vampiros, que "obrigam" todos os humanos a registarem-se como doadores de sangue. Há sempre uma alternativa, claro... uma pessoa pode sempre não se registar; mas em contrapartida não tem direito a comida e a água.

Allison tomou a decisão de não se registar pelo que vive da mendigagem e dos roubos oportunísticos (qualquer pessoa não registada apanhada a roubar é imediatamente condenada à morte).

Para além das muralhas da cidade dos vampiros não existe nada a não ser os restos de uma civilização perdida que os humanos controlavam e os rábidos (uma espécie de mistura entre vampiro e zombie nascidos da combinação do sangue de vampiros com uma doença fatal denominada doença do Pulmão vermelho - Red Lung disease), pelo que é proibido sair da cidade.

Quando Allie descobre uma cave cheia de comida nas ruínas, ela conduz o seu grupo até lá para poderem transportar a comida de volta para a cidade. Infelizmente são atacados por rábidos e Allie vê os seus amigos morrerem um por um. Em estado crítico devido ao ataque, Allie é interpelada por um vampiro que lhe dá uma escolha: morrer ou tornar-se um deles.

O livro segue Allie enquanto ele se esforça por sobreviver (e viver) com a sua nova condição num mundo pós-apocalíptico.

Como disse, não tenho muito jeito para descortinar as classificações dos livros. Para mim, esta obra não pode ser propriamente classificada como "ficção científica" uma vez que não se fala muito de ciência avançada. Talvez ficção especulativa? Porque é uma distopia com elementos paranormais? Não sei.

Gostei imenso deste livro (como já devem ter percebido pelo meu parágrafo de abertura). A Allison é uma personagem bem construída, dura e habituada às desilusões da vida devido a tudo o que passou. Quando se torna um vampiro, dão-lhe uma catana e POW! Transforma-se numa heroína kick-ass. Mesmo! Também gostei bastante do resto das personagens, embora não estivessem tão bem desenvolvidas como a Allison (mas pronto, sendo uma série, percebe-se).

Outro aspecto positivo deste livro: a escrita. Já nos livros da série Iron Fey tinha achado que a Julie Kagawa escrevia bem que se fartava. A escrita dela é simples e pouco rebuscada (para mim isso é, geralmente, uma coisa boa), mas tem uma qualidade cinematográfica maravilhosa que nos permite imaginar o mundo em que as personagens se movem de forma vívida.

Portanto, recapitulando: gostei do cenário geral, das personagens e da escrita. Gostei do facto de não haver insta-love (amor instantâneo) ou um triângulo amoroso. Gostei do facto de a nossa heroína ser independente e corajosa, mas mesmo assim feminina. E, claro, gostei da luta constante da Allison com a sua natureza vampírica; uma luta que, de resto, não vence sempre, o que achei refrescante. A Allison não é um paradigma de bondade e perfeição como tantas heroínas de livros juvenis; não, ela tem defeitos e virtudes e dúvidas. É sobre este tipo de personagens que mais gosto de ler.

Um outro aspecto que adorei: a autora não apressou certas partes do livro para chegar à parte central da história (a Allison depois de se tornar vampira)!

Os aspectos menos positivos prendem-se talvez com a natureza algo genérica do mundo distópico/pós-apocalíptico: uma doença fatal correu o globo cerca de 60 anos antes do início da história matando boa parte da população mundial. Os vampiros foram utilizados em experiências para encontrar uma possível cura, mas isso deu para o torto (e assim nasceram os rábidos) pelo que a civilização acabou por ruir. Não há grande desenvolvimento do mundo em que as personagens se movem neste primeiro livro e creio que não haverá muito para desenvolver porque a autora nos dá, neste primeiro volume, toda a informação sobre o que causou a queda da civilização e o "atual" estado de coisas.

No geral, um livro de leitura compulsiva que reúne os meus elementos favoritos numa obra de ficção, pelo que recomendo vivamente para quem, como eu, gosta de livros YA com acção, romance (que não é instantâneo), elementos paranormais e alguns elementos distópicos/pós-apocalípticos. Nesse caso, recomendado.

2 comentários :

Pedacinho Literário disse...

Gostei muito da tua review, Slayra. Por acaso esta é autora que já me tem vindo a suscitar interesse faz tempo. Tenho o primeiro da série Fey em casa por ler, e tenho este e o segundo desta série em ebook no kobo. Acho que ainda o cheguei a abrir para espreitar, mas depois pensei que talvez fosse melhor começar pela outra... acho que vou mudar de ideias outra vez! =) Adoro vampiros (Meyer à parte, que assim que brilham perdem logo o encanto, lol) e adoro uma boa distopia, por isso, este parece ser um livro excelente. =)

slayra disse...

Eu gostei imenso deste livro, acho que a Julie Kagawa escreve muito bem! Se puderes dá-lhe uma oportunidade. :) Lêem-se muito bem.